Pessoas com vacinação completa têm risco de morte três a cinco vezes menor  

De acordo com o relatório do INSA, verificou-se que, no mês de novembro ocorreram 195 óbitos (65%) em pessoas com esquema vacinal completo contra a covid-19.

O risco de morte para os casos de covid-19 diagnosticados em novembro deste ano, nas pessoas com vacinação completa, era três a cinco vezes menor do que nas pessoas sem esta cobertura, segundo o relatório das linhas vermelhas.

De acordo com o mais recente relatório da Direção-Geral da Saúde (DGS) e do Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge (INSA), com a Monitorização das linhas vermelhas para a covid-19, atualizado na quarta-feira, “entre 01 e 31 de outubro de 2021, os casos com esquema vacinal completo parecem apresentar um risco de hospitalização aproximadamente duas a seis vezes inferior aos casos não vacinados”.

Os autores do documento ressalvam que “estes resultados apenas têm em consideração a ocorrência de hospitalização, independentemente de características específicas dos casos, pelo que devem ser enquadrados com os dos estudos de efetividade vacinal, que têm em consideração esses fatores, e interpretados com precaução, dados os métodos diferentes utilizados por cada abordagem”.

Relativamente à ocorrência de óbitos por covid-19, tendo em conta o estado vacinal, verificou-se que, no mês de novembro ocorreram 195 óbitos (65%) em pessoas com esquema vacinal completo contra a covid-19, 10 (3%) óbitos em pessoas com dose de reforço e 95 óbitos (32%) em pessoas não vacinadas ou com vacinação incompleta.

“Na população com 80 e mais anos a dose de reforço reduz o risco de morte por covid-19 quase para metade em relação a quem tem o esquema vacinal completo, e reduz mais de cinco vezes o risco de morte em relação aos não vacinados”, lê-se no relatório.

Recomendadas

Inflação pode retirar competitividade às empresas portuguesas

Responsável da Fundação AIP considera que os custos nos transportes, aliados ao atual quadro político poderá levar a que esta não seja a melhor altura para o sector empresarial se expandir para os mercados mais longínquos. Investir na vertente digital é outro dos desafios.

Exportações. Desafio será “consolidar esta tendência de crescimento”

As exportações pesam cada vez mais no PIB nacional, refere o administrador do grupo ETE Logística, mas para consolidar a tendência de crescimento e contornar os desafios de 2023 há que diversificar mercados, avisa.

Reporte de temas financeiros vai exigir novas competências

Tema da sustentabilidade traz desafios à área da Contabilidade como criar modelos de ‘report’ para um tecido empresarial dominado por microempresas. Ensino superior reforça resposta com novas aprendizagens.
Comentários