Petição para saída da presidente da Raríssimas reúne mais de 9.430 assinaturas

No final da tarde de ontem, o abaixo-assinado “Demissão imediata da Presidente da associação Raríssimas, Paula Brito e Costa o seu filho e marido” contava com mais de 4 mil assinantes.

A petição pública a exigir a demissão da presidente da associação Raríssimas, Paula Brito e Costa, e do respetivo marido e filho (“o herdeiro da parada”) já tem mais de 9.430 assinaturas.

Ao final da tarde de ontem, o abaixo-assinado “Demissão imediata da Presidente da associação Raríssimas, Paula Brito e Costa o seu filho e marido” contava com mais de 4 mil assinantes. Em cerca de apenas três horas quase duplicou o número de assinaturas e, no momento em que este artigo é redigido contabilizam-se 9.436 signatários.

Em causa está a reportagem do canal de Queluz que trouxe a público documentos e testemunhos comprometedores sobre o trabalho da presidente da associação Raríssimas, Paula Brito e Costa. A TVI noticiou ainda que o ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social sabia de antemão todas as irregularidades.

O trabalho jornalístico dá conta de despesas pessoais elevadas em vestuário e deslocações por parte de Paula Brito da Costa e noticia que a presidente aufere cerca de seis mil euros por mês em ordenados e despesas de representação. Na investigação, o secretário de Estado da Saúde, que foi consultor da associação recebendo 3 mil euros por mês, e a deputada socialista Sónia Fertuzinhos, que viajou até à Noruega paga pela Raríssimas também surgem envolvidos no esquema de utilização fraudulenta de recursos associativos.

Segundo a TVI, uma carta enviada pelo ex-tesoureiro da Raríssimas Jorge Nunes, datada a 9 de agosto, pedia a intervenção de José António Vieira da Silva, através do Instituto da Segurança Social. A polémica surgiu dessa missiva, que levou a entender que o ministro já teria de ter conhecimento das irregularidades nas contas desta associação solidária.

Respostas Rápidas: O que precisa saber sobre o caso Raríssimas

Relacionadas

Ministério do Trabalho pede inspeção urgente à associação Raríssimas

José António Vieira da Silva disse, em conferência de imprensa, que “não é verdade que tenhamos tido conhecimento desta gestão danosa”. Em causa está a reportagem do canal de Queluz que trouxe a público documentos e testemunhos comprometedores sobre o trabalho da presidente da associação Raríssimas.

Ministra da Justiça diz que é possível haver mais controlo sobre dinheiros públicos

“É sempre possível fazer mais, é sempre possível exigirmos mais. Mais controlo, mais rigor, mais auditorias, mas procuramos ter, do ponto de vista de controlo e fiscalização dos dinheiros públicos, os mecanismos adequados”, afirmou Francisca Van Dunem à margem da conferência “O Combate à Fraude e à Corrupção”, quando questionada sobre a reportagem da TVI sobre a Associação Raríssimas

Página de Facebook e site da associação Raríssimas bloqueados

A reportagem da jornalista da TVI Ana Leal, com imagem de Nuno Quá, grafismo de Rui Ribeiro e edição de imagem de João Pedro Ferreira, revelou documentos e testemunhos que põem em causa a gestão da associação por parte da sua presidente.
Recomendadas

Pizarro “seguramente” aberto a receber autarcas de Setúbal, Palmela e Sesimbra

O ministro da Saúde, Manuel Pizarro, disse hoje que está “seguramente” disponível para se reunir com os presidentes das câmaras municipais de Setúbal, Palmela e Sesimbra para discutir os problemas das urgências, assim que chegar o pedido anunciado pelas autarquias.

Despesa pública com convenções de medicina de reabilitação aumenta dos 74 para os 112 milhões

A despesa pública com as convenções de medicina física e reabilitação aumentou de 74 milhões de euros em 2016 para mais de 112 milhões em 2021, um crescimento anual de 7,2%, anunciou hoje o regulador nacional.
SNS

Exames de radiologia custam 123 milhões de euros e são a terceira despesa convencionada do SNS

Os exames de radiologia representaram a terceira maior despesa convencionada do Serviço Nacional de Saúde (SNS) em 2021, com um gasto de mais de 123 milhões de euros, anunciou hoje o regulador do setor.
Comentários