Petrobras anuncia lucro recorde de 19 mil milhões de euros no primeiro semestre

De acordo com a declaração enviada ao mercado na quinta-feira, o lucro do gigante brasileiro nos primeiros seis meses deste ano foi 124,6% superior ao do mesmo período de 2021.

A Petrobras, a maior empresa petrolífera brasileira, obteve um lucro líquido de 98,89 mil milhões de reais (cerca de 19 mil milhões de euros) no primeiro semestre deste ano, o valor mais alto da sua história.

Este recorde da empresa estatal brasileira tem como causa o aumento dos preços do petróleo bruto.

De acordo com a declaração enviada ao mercado na quinta-feira, o lucro do gigante brasileiro nos primeiros seis meses deste ano foi 124,6% superior ao do mesmo período de 2021.

Os lucros semestrais são praticamente iguais aos obtidos pela empresa em todo o ano de 2021, quando atingiu o maior lucro líquido de toda a sua história (106,66 mil milhões de reais, cerca de 20 mil milhões de euros).

Horas antes da apresentação dos resultados, a Petrobras tinha anunciado uma distribuição de dividendos recorde, numa altura em que o Governo de Jair Bolsonaro pressiona para que as empresas estatais reforcem os cofres públicos.

A companhia petrolífera, com ações negociadas nas bolsas de São Paulo, Nova Iorque e Madrid, e que tem o Estado brasileiro como maior acionista, anunciou numa declaração ao mercado que irá distribuir dividendos nas próximas semanas de 6,732 reais (cerca de 1,25 euros) por cada ação preferencial e ordinária da companhia, após os bons resultados alcançados no segundo trimestre do ano.

O valor, que é uma distribuição de dividendos recorde para o gigante petrolífero durante um trimestre, ascende a cerca de 87,8 mil milhões de reais (cerca de 17 mil milhões de euros), dos quais o Estado manteria cerca de 32,1 mil milhões de reais (cerca de seis mil milhões de dólares).

A Petrobras explicou na nota que a política de remuneração acionista prevê a distribuição de 60% do valor resultante da diferença entre fluxo de caixa e investimentos, desde que a dívida bruta da empresa seja inferior a 65 mil milhões de dólares.

O Governo receberá os respetivos dividendos em agosto e setembro, ou seja, antes das eleições de 2 de outubro em que Bolsonaro procurará ser reeleito como chefe de Estado.

O anúncio da Petrobras veio dias depois de porta-vozes governamentais terem pedido à empresa estatal que antecipasse o pagamento de dividendos e recursos aos cofres públicos para financiar um ambicioso pacote de subsídios que o Governo anunciou no mês passado e que irá beneficiar as famílias e setores mais pobres, tais como camionistas e taxistas.

Os dividendos recorde foram aprovados pelos novos membros do conselho de administração da Petrobras, que tomaram posse há um mês após o Presidente brasileiro ter discordado com os antigos administradores e promovido a sua substituição.

Bolsonaro tinha criticado a Petrobras pelos constantes aumentos nos preços dos combustíveis, que dependem dos preços internacionais e que têm pressionado a inflação no Brasil, e chegou ao ponto de dizer que os seus lucros recorde, dos quais o governo agora beneficia, eram “absurdos”.

Desde que o novo presidente da companhia petrolífera tomou posse, a cerca de dois meses das eleições, a empresa já anunciou duas reduções nos preços dos combustíveis.

Recomendadas

Sindicatos atentos ao fundo pensões do BCP

Os Sindicatos Verticais da Banca asseguram aos associados do BCP que tudo farão “na defesa dos seus interesses no Fundo de Pensões do banco”.

BCE vigia 31 bancos por riscos associados à subida das taxas de juro

Banco Central Europeu lançou uma revisão dos riscos de taxa de juro e spread de crédito para avaliar a exposição dos bancos. Numa primeira fase irá monitorizar 31 instituições financeiras

CP transportou 70 milhões de passageiros e supera valores de 2019 no primeiro semestre de 2022

A CP – Comboios de Portugal registou, no primeiro semestre de 2022, um aumento da procura de 77,5%, quando comparado com o período homólogo de 2021, o que se traduz em cerca de 70 milhões de passageiros transportados.
Comentários