Petróleo cai mais de 5% depois de os EUA anunciarem que podem libertar até um milhão de barris por dia

Sem avançar grandes pormenores, a Casa Branca confirmou que o objetivo é tentar controlar a subida descontrolada do preço dos combustíveis mas não adiantou datas relativamente à libertação das reservas.

Dado Ruvic/Reuters

Os Estados Unidos podem vir a libertar algumas reservas de petróleo devido à subida desenfreada que tem acontecido por causa da invasão da Ucrânia pela Rússia. Duas fontes familiarizadas com o tema indicaram à imprensa norte-americana que Biden pode libertar até um milhão de barris por dia, uma decisão que visa controlar o preço da energia.

O potencial anúncio fez com que o Brent caísse 5,12% para 105,72 dólares, com o WTI a assumir uma quebra mais bruta de 5,76% para 101,61 dólares. Ora, isto significa que o mercado petrolífero reagiu às intenções norte-americanas.

O verdadeiro anúncio pode chegar ao dia de hoje, ou seja, no mesmo dia em que acontece mais uma reunião da OPEP+. Sem avançar grandes pormenores, a Casa Branca confirmou que o objetivo é tentar controlar a subida descontrolada do preço dos combustíveis mas não adiantou datas relativamente à libertação das reservas.

A aliança energética OPEP+ reúne-se hoje para perceber e determinar a próxima fase da política de produção de barris de petróleo. Os analistas estimam que o grupo deve manter a sua estratégia de abertura gradual da produção, apesar dos consumidores estarem a pressionar para uma libertação mais rápida de barris, de forma a diminuir o preço dos combustíveis.

À semelhança do que acontece em outros países, a inflação voltou a atingir máximos de 40 anos nos Estados Unidos e o preço dos combustíveis assumiu uma rota ascendente depois do início do conflito armado, no fim de fevereiro.

É importante relembrar que a Rússia é o terceiro maior produtor e o maior exportador de petróleo mundial, ficando apenas atrás dos EUA e da Arábia Saudita. O ocidente tem lançado várias sanções à Rússia, tendo impedido grandes exportações de gás natural e de petróleo.

Recomendadas

Wall Street fecha misto depois de um dia pouco definido

A maioria das ações dos principais índices dos Estados Unidos mantiveram-se indefinidos entre o verde e o vermelho. O histórico do primeiro semestre, que fecha esta quinta-feira, será dos piores em décadas.

EDP, NOS, Galp, CTT e BCP arrastam Lisboa para perdas. Europa em queda

“O corte das estimativas de crescimento económico para 2022 de 4% para 2,5%, por parte do governo francês e a revelação de que a inflação em Espanha, a quarta maior economia da zona euro, terá atingido um novo recorde em junho foram fatores adicionais de pressão para o mercado europeu”, refere o analista do BCP.

BlackRock defende que transição da economia para “zero emissões” implicará uma redistribuição massiva de ativos nas carteiras

A BlackRock considera que os preços de mercado ainda não refletem plenamente os riscos e as oportunidades da transição, acreditando que as empresas que estão mais preparadas para a transição e mais capazes de aproveitar as suas oportunidades devem continuar a beneficiar em relação às outras ao longo do tempo.
Comentários