Petróleo. Descida dos preços cria problemas à economia de Angola

O Fundo Monetário Internacional (FMI) considera que o ambiente económico em Angola é desafiador, dados os problemas colocados pela descida dos preços do petróleo, numa análise da economia angolana agora divulgada. “O choque (da descida) do preço do petróleo reduziu de forma significativa a receita fiscal e as exportações, o que trouxe para primeiro plano […]


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

O Fundo Monetário Internacional (FMI) considera que o ambiente económico em Angola é desafiador, dados os problemas colocados pela descida dos preços do petróleo, numa análise da economia angolana agora divulgada.

“O choque (da descida) do preço do petróleo reduziu de forma significativa a receita fiscal e as exportações, o que trouxe para primeiro plano a necessidade de resolver de forma mais enérgica as vulnerabilidades, diversificar a economia e melhorar a gestão da volatilidade das receitas petrolíferas”, destaca o FMI, na síntese de apresentação do seu exame à economia angolana.

Salientando que a baixa das receitas petrolíferas parece ter um caráter “permanente”, o FMI recomenda que o governo de Luanda faça mais do que já fez para se adaptar, como o corte de despesas ou a desvalorização do kwanza.

Entre as recomendações estão as de aumentar a receita fiscal fora do setor petrolífero, continuar a reduzir a subsidiação dos combustíveis, usar um fundo de estabilização orçamental, prosseguir no ajustamento da taxa de câmbio, procurando conter o impacto na inflação e também reforçar a supervisão bancária e acelerar a reestruturação dos bancos mais fracos.

O FMI defende ainda a diversificação económica, através da melhoria do ambiente dos negócios e do reforço do papel do setor privado, designadamente na reconstrução das infraestruturas através de concessões e de parcerias público-privadas.

OJE

Recomendadas

Reserva Federal volta a ‘dar a mão’ a Wall Street

Tal como sucedeu na semana passada, a Fed teve de insistir na diminuição do ritmo da subida das taxas de juro para alavancar um dia que acabou por ser positivo. O mercado está a precisar da atenção do banco central.

Reserva Fedrela diz que aumento das taxas de juro pode desacelerar em dezembro

O presidente da Reserva-Feral norte-americana, Jerome Powell, considerou esta quarta-feira, ser provável que o aumento das taxas de juro possa desacelerar já em dezembro. Mas os valores vão permanecer altos.

Energia dá impulso à Bolsa de Lisboa. Europa fecha no verde em dia marcado pela inflação

O mercado esperava que a inflação do IPC na zona do euro desacelerasse de 10,6% em Outubro para 10,4% em Novembro (variação anual). A leitura real mostrou uma desaceleração para 10,0% num ano. Os juros soberanos sobem. As ações também.