Petróleo. Inovação permite mais 30 mil barris diários em Angola

As petrolíferas Sonangol e Total anunciaram a entrada em funcionamento de um novo sistema de bombeamento num dos campos do bloco 17, no offshore angolano, acrescentando assim 30 mil barris de crude diários à produção do país. As duas empresas informam, em comunicado, que o projeto “Bombas Multifásicas (MPP)”, no campo “Rosa”, naquele bloco, arrancou […]


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

As petrolíferas Sonangol e Total anunciaram a entrada em funcionamento de um novo sistema de bombeamento num dos campos do bloco 17, no offshore angolano, acrescentando assim 30 mil barris de crude diários à produção do país.

As duas empresas informam, em comunicado, que o projeto “Bombas Multifásicas (MPP)”, no campo “Rosa”, naquele bloco, arrancou na sexta-feira com a instalação, no fundo do mar, de quatro bombas multifásicas de alta pressão, ligadas à rede de produção submarina existente naquela área.

Esta “inovação tecnológica”, apresentada como uma “estreia mundial” vai adicionar 30 mil barris de petróleo de produção diária naquele bloco, em águas profundas a norte de Luanda.

“Essas bombas permitirão a recuperação de cerca de 42 milhões de barris de reservas adicionais”, refere a concessionária estatal Sonangol.

O bloco 17 é já um dos mais importantes em Angola, tendo atingido este ano a marca, acumulada, dos dois mil milhões de barris produzidos.

OJE

Recomendadas

Governo italiano aprova envio de armas à Ucrânia para todo o ano de 2023

O Governo italiano aprovou um decreto prolongando o fornecimento de ajuda, incluindo armamento, à Ucrânia para todo o ano de 2023.

PremiumUcrânia à espera do inverno e dos mísseis norte-americanos Patriot

A NATO não parece disposta a enviar os mísseis para a Ucrânia, e a Rússia já avisou que, se isso acontecer, tirará as devidas ilações.

PremiumProtestos na China “não têm dimensão de revolta política”

Os protestos face à política Covid zero na China chegaram a assumir alguma violência, mas os analistas não conseguem descobrir em Guangzhou qualquer sintoma da morte iminente do regime de Xi Jinping. ANATO manteve um olhar atento ao país asiático.