Petróleo negoceia em máximos de 16 meses

O “ouro negro” avança mais de 1%, para máximos de 16 meses, quando a OPEC se prepara para encontrar com países não membros do cartel para discutir a redução da produção.

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) vai encontrar-se com países não membros do cartel para discutir a redução da produção de ‘ouro negro’. A Rússia, por exemplo, que não integra a OPEP, tem mostrado pouca vontade em aceitar o acordo, tendo já revelado que apenas irá cooperar quando o cartel chegar a um consenso em relação às quotas individuais de produção.

Assim, o ‘brent’ que serve de referência às importações europeias , avança 1,18% para os 55,10 dólares. No mesmo sentido, o crude valoriza 1,04% para os 52,22 dólares.

Os países que compõem a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) chegaram a acordo na semana passada para reduzir a produção em 1,2 milhões de barris por dia, no primeiro corte em oito anos.

A confirmar-se esta redução, a produção diária entre os membros do cartel vai ser de 32,5 milhões de barris por dia, abaixo dos níveis actuais de 33,6 milhões de barris por dia.

O consenso surgiu após várias semanas de negociações, com os três membros-chave da OPEP, Arábia Saudita, Iraque e Irão a concertarem, por fim, as diferenças quanto à redução na produção, ao que o mercado reagiu com satisfação.

Relacionadas

Petróleo: Exportações da OPEP caem 50%

A “guerra fria” do petróleo, iniciada em 2014 pelos Países Exportadores de Petróleo, atingiu severamente as economias do bloco, que se viram agora forçadas a dar um passo atrás na estratégia que visava proteger as quotas de produção destes países da nova produção norte-americana.
Recomendadas

Cotação do barril Brent para entrega em novembro baixa para 87,96 dólares

A cotação do barril de petróleo Brent para entrega em novembro terminou esta sexta-feira no mercado de futuros de Londres em baixa de 0,73%, para os 87,96 dólares.

Wall Street encerra sessão com principais índices a perder mais de 1,50%

No momento de fecho o Dow Jones recua 1,71%para 28.725,84 pontos, o S&P 500 cede 1,51% para 3.585,40 pontos e o tecnológico Nasdaq desvaloriza 1,51% para 10.575,62 pontos. 

PremiumAções com pior mês desde junho e pode não ficar por aqui

Libra em forte desvalorização e juros da dívida do Reino Unido disparam após polémico “mini-orçamento” de Liz Truss.
Comentários