Petróleo negoceia em máximos de 16 meses

O “ouro negro” avança mais de 1%, para máximos de 16 meses, quando a OPEC se prepara para encontrar com países não membros do cartel para discutir a redução da produção.

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) vai encontrar-se com países não membros do cartel para discutir a redução da produção de ‘ouro negro’. A Rússia, por exemplo, que não integra a OPEP, tem mostrado pouca vontade em aceitar o acordo, tendo já revelado que apenas irá cooperar quando o cartel chegar a um consenso em relação às quotas individuais de produção.

Assim, o ‘brent’ que serve de referência às importações europeias , avança 1,18% para os 55,10 dólares. No mesmo sentido, o crude valoriza 1,04% para os 52,22 dólares.

Os países que compõem a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) chegaram a acordo na semana passada para reduzir a produção em 1,2 milhões de barris por dia, no primeiro corte em oito anos.

A confirmar-se esta redução, a produção diária entre os membros do cartel vai ser de 32,5 milhões de barris por dia, abaixo dos níveis actuais de 33,6 milhões de barris por dia.

O consenso surgiu após várias semanas de negociações, com os três membros-chave da OPEP, Arábia Saudita, Iraque e Irão a concertarem, por fim, as diferenças quanto à redução na produção, ao que o mercado reagiu com satisfação.

Relacionadas

Petróleo: Exportações da OPEP caem 50%

A “guerra fria” do petróleo, iniciada em 2014 pelos Países Exportadores de Petróleo, atingiu severamente as economias do bloco, que se viram agora forçadas a dar um passo atrás na estratégia que visava proteger as quotas de produção destes países da nova produção norte-americana.
Recomendadas

Bolsa de Lisboa segue no ‘vermelho’ com Greenvolt a liderar perdas

As principais bolsas europeias estão em terreno misto, com o DAX (Alemanha) a valorizar 0,37%, o IBEX 35 (Espanha) a ganhar 0,21% e o CAC 40 (França) a valorizar 0,12%, enquanto o FTSE 100 (Reino Unido) perde 0,12%.

Taxas Euribor sobem a 3 e 6 meses para novos máximos desde o início de 2009

A taxa Euribor a seis meses, a mais utilizada em Portugal nos créditos à habitação e que entrou em terreno positivo em 6 de junho, avançou hoje, para 2,466%, mais 0,010 pontos, um novo máximo desde janeiro de 2009.

PSI em terreno negativo no início da sessão em dia misto na Europa

A Greenvolt lidera nas perdas, estando a cair 0,86% para 8,08 euros, seguida da Galp, que recua 0,54% para 11,61 euros.
Comentários