Petrolífera estatal da Venezuela suspende envios para a Europa

A Petróleos da Venezuela SA (PDVSA) suspendeu o envio de petróleo para a Europa, no âmbito de um acordo que permitia usar hidrocarbonetos para pagar dívidas da empresa estatal venezuelana.

A Petróleos da Venezuela SA (PDVSA) suspendeu o envio de petróleo para a Europa, no âmbito de um acordo que permitia usar hidrocarbonetos para pagar dívidas da empresa estatal venezuelana.

A suspensão foi avançada pelo portal World Energy Trade (WET), especializado em petróleo, gás, eletricidade, minerais e minas, e pela imprensa venezuelana, que dão conta de que a PDVSA “pediu à italiana ENI e à espanhola Repsol que lhe forneçam combustível em troca de futuros envios”.

“A petrolífera venezuelana PDVSA já não está interessada nos acordos de troca de petróleo por dívida que o Departamento de Estado dos EUA autorizou em maio e que permitiu retomar os embarques para a Europa, após uma suspensão de dois anos causada pelas sanções norte-americanas”, explica o WET.

Segundo o portal, o petróleo que a Venezuela estava a enviar para refinarias europeias, “tinha ajudado a região a reduzir as suas compras de petróleo russo”, particularmente para a Espanha. “Mas os termos do acordo não forneceram o dinheiro e o combustível necessários à PDVSA, cujas próprias refinarias enfrentam problemas para produzir gasolina e gasóleo suficientes [para o consumo interno], após anos de desinvestimento e escassa manutenção”, explica.

O WET precisa que Washington autorizou a Venezuela a enviar petróleo para a Europa “desde que as receitas fossem utilizadas para pagar a dívida acumulada da PDVSA a empresas com a ENI e a Repsol”.  Por outro lado, explica que em agosto, “de acordo com o calendário de embarques da PDVSA, não há janelas de carga atribuídas à ENI ou à Repsol para envios com destino à Europa (…) embora as reservas de petróleo bruto diluído no Porto José [330 quilómetros a leste de Caracas] tenham aumentado para quase 5 milhões de barris até 8 de agosto”.

“A PDVSA quer obter combustível em troca de petróleo, enquanto utiliza uma parte do valor dos envios para compensar milhares de milhões de dólares em dívidas a empresas associadas, como a Chevron, a ENI e a Repsol. A reestruturação do acordo poderia ajudar a empresa venezuelana a reavivar as suas operações de petróleo extrapesado na Faixa Petrolífera do Orinoco [no sul da Venezuela], que necessitam de diluentes importados como a nafta pesada, e aliviar o défice de combustível no país”, explica.

Segundo a imprensa venezuelana, desde 2021 que a PDVSA depende de diluentes iranianos para converter o seu petróleo extrapesado para exportação.

Recomendadas

Josep Borrell pressiona Israel sobre os palestinianos

O primeiro-ministro israelita Yair Lapid e o chefe de política externa da União desentenderam da reunião do Conselho da União Europeia-Israel, em Bruxelas. Pontos de vista diferentes sobre a Palestina e sobre o Irão ficaram bem evidentes.

Bulgária: eleições longe de resolverem crise política

Acusado de corrupção, o GERB voltou a ganhar as eleições e arrisca manter o país ingovernável. A única forma de ultrapassar o impasse seria um governo de coligação entre os dois maiores partidos, mas isso não parece estar no horizonte.

Indonésia. Polícia sob pressão pelo uso indiscriminado de gás lacrimogéneo

Os desacatos num estádio de futebol resultaram em 125 mortos, 17 dos quais crianças, de acordo com as autoridades. A atuação da polícia gerou o caos e vai contra as indicações da FIFA.
Comentários