Petrolífera Saudi Aramco quer comprar seguro contra ataques

Segundo fontes da agência “Reuters”, a empresa saudita tem procurado essencialmente apólices de seguradoras com sede no Reino Unido.

Bloomberg Finance LP

A petrolífera Saudi Aramco pretende comprar um seguro contra ataques às instalações na que tem na província oriental da Arábia Saudita, depois de, em setembro, ter sofrido uma incursão de drones e mísseis em algumas ao seu centro de petróleo, noticia a agência “Reuters” esta quarta-feira.

Segundo as fontes da agência noticiosa, a petrolífera estatal saudita tem procurado essencialmente apólices de seguradoras com sede no Reino Unido, como a do Lloyd’s de Londres.

No prospeto do IPO, a Saudi Aramco referiu que não tinha seguro contra todos os riscos, ou seja, a empresa não estava protegida contra terroristas ou de atos de guerra.

Em meados de novembro, aquela que é a maior petrolífera do mundo anunciou que iria colocar 1,5% do seu capital social na bolsa de Riade, uma operação que avalia a empresa em cerca de 1,7 biliões de dólares (1,54 biliões de euros). “A primeira oferta incidirá sobre 1,5% das ações da empresa”, disse a Saudi Aramco, num comunicado em que se afirma que a faixa do preço das ações foi fixada entre os 8 e os 8,5 dólares norte-americanos.

A operação deverá trazer entre 24 e 25,5 mil milhões de dólares (entre 21,8 e 23 mil milhões de euros). A empresa afirma ter 200 mil milhões de ações regulares, pelo que uma participação de 1,5% na empresa seria cerca de 3 mil milhões de ações. Assim, a participação de 1,5%, ao preço máximo (8,5 dólares) permitirá captar 25,5 biliões de dólares, e ao preço mínimo permitirá captar 24 mil milhões de dólares. Logo, isso colocaria a avaliação global da empresa entre 1,6 e 1,7 biliões de dólares norte-americanos.

Petróleo da Saudi Aramco já era. Cimento é a nova ‘pérola’ da Arábia Saudita

PremiumSaudi Aramco forçada a fazer ‘reality check’

Recomendadas

Binter e Embrar fecham compra de cinco novas aeronaves por mais de 369 milhões de euros

As duas primeiras unidades estão previstas para chegar às Ilhas Canárias em novembro de 2023.

Manuel Champalimaud compra à Novares a área de injeção de plásticos para a indústria automóvel

A aquisição visa reforçar posição do Grupo Champalimaud no sector dos componentes de plástico decorativo e de interface para a indústria automóvel.

PremiumAmazon diz que “continua a fazer investimentos” de cloud em Portugal

A empresa norte-americana de computação na nuvem Amazon Web Services (AWCS)está a desenvolver um centro de dados no país, mas não se compromete com uma data de abertura.
Comentários