Petrolífera saudita substitui Apple como empresa mais valiosa do mundo (com áudio)

A troca de posições acontece pela primeira vez em quase dois anos. As ações da produtora do iPhone terminaram a sessão de quarta-feira, 11 de maio, em Wall Street, a desvalorizarem 5%, com uma avaliação de 2,37 biliões de dólares (2,2 biliões de euros)

5 – Saudi Aramco (4,3%)

A semana não tem sido positiva para as tecnológicas norte-americanas, principalmente em Wall Street. Os investidores, apreensivos com o aumento da inflação, começam a retirar o seu dinheiro dos ativos considerados ‘mais arriscados’, como as ações de tecnologia. A consequência? Empresas como a Apple viram as suas ações desvalorizar e, inclusive, a empresa liderada por Tim Cook perdeu o lugar como a mais valiosa do mundo para a petrolífera saudita, Aramco.

A troca de posições acontece pela primeira vez em quase dois anos. As ações da produtora do iPhone terminaram a sessão de quarta-feira, 11 de maio, a desvalorizarem 5%, com uma avaliação de 2,37 biliões de dólares (2,2 biliões de euros), enquanto a Aramco, cuja matéria-prima é vista como um ativo ‘seguro’, avaliada em 2,42 biliões de dólares (2,3 biliões de euros) assume o lugar de empresa mais valiosa do mundo.

As ações da Apple já desvalorizaram 20% desde o início do ano, fruto da venda generalizada de ações de tecnologia pelos investidores em Wall Street. Empresas como a Microsoft tiveram quedas semelhantes, com o Nasdaq a ser, naturalmente, o índice mais penalizado. Entre as razões apontadas, sem surpresa, a guerra na Ucrânia e o consequente aumento da inflação.

Em sentido contrário, as ações dos produtores de energia têm sido das que mais valorizam. Os custos do petróleo e do gás aumentaram, fazendo prever um impacto positivo nos lucros e na rentabilidade das ações.

O aumento dos preços é a maior ameaça à recuperação da economia global à medida que emerge da pandemia de Covid-19. Os bancos centrais de todo o mundo responderam ao problema aumentando as taxas de juros, o que desencadeou uma saída de investimentos mais arriscados devido a preocupações de que o custo mais alto dos empréstimos irá desacelerar o crescimento económico.

Esta quinta-feira, o SoftBank Group, do Japão, divulgou uma perda recorde de 26,2 mil milhões de dólares (25 mil milhões de euros) nos negócios do seu Vision Fund — dedicado ao sector tecnológico. A perda foi um forte contraste com um ano atrás, quando a empresa registou lucro anual recorde.

Recomendadas

JE promove debate sobre o valor económico da indústria farmacêutica (com áudio)

O Fórum da Indústria Farmacêutica realiza-se no Pestana Palace Lisboa Hotel, a partir das 9h15, e terá como tema central o valor económico da indústria farmacêutica. Será transmitido, em direto, através da plataforma JE TV, em www.jornaleconomico.pt.

Caos no sector europeu da aviação com milhares de voos cancelados no verão (com áudio)

O primeiro verão pós-pandemia Covid-19 ameaça ser caótico para os viajantes na Europa. Trabalhadores das companhias aéreas exigem aumentos salariais depois dos cortes durante a pandemia e com a subida do nível de vida. Falta de pessoal devido a reestruturações também está a complicar a situação.

SATA prevê saída de 150 trabalhadores até final de 2023 através de rescisões negociadas

Cerca de 100 trabalhadores já saíram da companhia aérea açoriana SATA desde que foi lançado o primeiro programa de rescisões, em 2020.
Comentários