Petrolíferas alemãs acusadas de obter lucros excessivos com descida dos preços

O governo alemão impôs a redução do preço dos combustíveis para os consumidores, mas a maior parte dos aumentos registados continua a engordar os cofres das petrolíferas. O ministro da Economia está tentar gerir as sensibilidades.

Roberto Pfeil/Reuters

Qualquer semelhança com o caso português, a haver, não é mera coincidência: o ministro da Economia alemão, Robert Habeck, do partido OS Verdes, está a ser pressionado pelos democratas-cristãos da CDU e pelos liberais do FDP para explicar porque é que parte das decisões de diminuir o preço dos combustíveis para os consumidores está a servir pera ‘engordar’ os lucros da petrolíferas.

Apenas uma parte do desconto decidido chega ao consumidor, com o restante a chegar aos cofres das petrolíferas, o que levou, segundo a impresa alemã, FDP e CDU a pedirem, ao ministro da Economia que confronte as petrolíferas e que, por outro lado, não se esqueça que o esforço deve ser dirigido para a diminuição da fatura energética das empresas.

Segundo as mesmas fontes, os preços do gasóleo e da gasolina continuam elevados apesar do desconto decidido no início de junho, mas as petrolíferas não estarão a passar essa redução de preço para os seus clientes.

O assunto está a gerar controvérsia, até porque, se a CDU é a líder da oposição, a FDP é parceira da coligação do governo e o assunto tem todos os ingredientes para ser mais uma dor de cabeça política para o chanceler alemão Olaf Sholz.

“O ministro Habeck deve pressionar e garantir que o alívio tenha o efeito desejado”, disse o líder do grupo parlamentar do FDP no Bundesbank, Christian Dürr, ao jornal “Bild” – sendo que foi este partido a introduzir a ideia.

Jens Spahn, da CDU, também pediu ao ministro que avance para o confronto: “o desconto, no valor de milhões, escoa. Ordenar que as multinacionais do sector do petróleo relatem o que se está a passar é o mínimo que o ministro da Habeck pode fazer.

O ministro da Economia do Estado da Saxónia-Anhalt, Sven Schulze (também da CDU), fez uma declaração semelhante: “agora, Robert Habeck tem que convocar as multinacionais do petróleo. O roubo de cidadãos nos postos de gasolina não deve continuar. O ministro da Economia da Baixa Saxónia, Bernd Althusmann (CDU),  disse o mesmo.

O combustível voltou a ficar significativamente mais caro após a redução de preços causada pelo corte de impostos que entrou em vigor em 1 de junho. Um litro de diesel é agora apenas 3,2 centavos mais barato que no dia anterior à redução do imposto, sendo que o preço foi reduzido em 16,7.

O ministro federal das Finanças, Christian Lindner (da FDP), alertou contra o que disse serem “julgamentos precipitados. Ainda não é possível dizer se lucros excessivos estão a ser obtidos pelas petrolíferas”, disse, citado pelo jornal “T-online”. Antes de ficar evidente que esse o problema, o assunto deve ser analisado pelo Gabinete Federal Anti-Cartel.

 

Relacionadas

Galp mantém preço da eletricidade a partir de julho e sobe o do gás natural

A Galp vai manter o preço da eletricidade, a partir de 01 de julho, mas vai atualizar o valor do gás natural, que terá um aumento de cerca de 3,60 euros para o escalão mais representativo, foi anunciado.

“Governo vai continuar a ganhar dinheiro com o aumento do preço dos combustíveis”, acusa Rio

Para Rio, se o Orçamento que está em vigor remonta a 1 de janeiro de 2021, “então a receita de IVA está programada em função das cotações do crude em fins de 2020, quando o Orçamento é feito”. “O Governo ficar uma diferença maior do que aquela que agora está a dar”, acusou.
Recomendadas

Mario Draghi deixa cimeira da NATO para tentar resolver tensões no governo italiano

O primeiro-ministro italiano deixou a cimeira da NATO em Madrid para regressar a Roma e presidir quinta-feira a uma reunião do Conselho de Ministros em pleno clima de tensão política.

Canábis: estudo revela riscos de consumo recreativo

Causa sérios riscos de hospitalização por problemas físicos e mentais, pelo que “não é tão positivo e seguro como se possa pensar”, diz o autor do estudo, professor assistente e investigador na Universidade de Toronto.

CEO deixa empresa de 65 mil milhões para ir para a “praia e não fazer nada”

Formica, que está no Reino Unido há quase três décadas, disse em entrevista que a sua saída se deve a “motivos pessoais”, incluindo o desejo de estar mais perto dos pais já idosos. Planeia voltar para a Austrália, o seu país natal.
Comentários