PEV diz que Governo prevê excedente orçamental de 0,2% em 2020

O Partido Ecologista “Os Verdes” (PEV) confirmou também que está previsto que o crescimento da economia atinja os 2% em 2020, na proposta de Orçamento do Estado para 2020. Os ecologistas defendem que a estabilização da economia deve refletir-se numa melhoria dos salários dos trabalhadores e dos serviços públicos. 

Mário Cruz/Lusa

O Partido Ecologista “Os Verdes” (PEV) revelou esta terça-feira, após reunião com o Governo, que o Executivo socialista prevê um excedente orçamental de 0,2% para o próximo ano. O PEV confirmou também que está previsto que o crescimento da economia atinja os 2% em 2020 e defendeu que a estabilização da economia deve refletir-se numa melhoria dos salários dos trabalhadores e dos serviços públicos.

“O défice andará perto dos 0% e, provavelmente, até com previsão de superávite no próximo ano. A previsão do Governo é de 0,2%. Por isso, deve haver uma inversão das prioridades. Em vez de haver aquela preocupação que houve com o défice, que houvesse uma obsessão com o défice e com os portugueses e os serviços públicos”, afirmou o líder parlamentar do PEV, José Luís Ferreira, após ter estado reunido com o ministro das Finanças, Mário Centeno, e o secretário de Estado para os Assuntos Parlamentares, Duarte Cordeiro.

José Luís Ferreira adiantou ainda que há previsão de que a economia cresça para 2%, confirmando dados já revelados pelo CDS-PP. “O que dissemos ao senhor ministro foi que, se há previsão de uma estabilização da economia, que passa de 1,9 para 2%, essa estabilização deveria ter reflexos na vida material dos portugueses, desde logo a nível salarial, mas também do ponto de vista dos serviços públicos”, disse o líder parlamentar do PEV.

“É preciso valorizar os salários de forma acentuada, porque nós estamos há uma década sem que os trabalhadores tenham qualquer aumento. Se ficarmos por aí ficamos muito longe do razoável”, reiterou.

Sobre as metas orçamentais apresentadas pelo Governo durante a reunião, o PEV avançou ainda que o Governo prevê que o desemprego fique em 6,1% em 2020, menos 0,2 pontos percentuais do que a previsão inicialmente avançada. Já a taxa de inflação deve ficar entre 1,2% e 1,4%.

José Luís Ferreira sublinhou ainda que, durante a reunião, transmitiu ao Governo a “necessidade de combater as alterações climáticas, não só pela via da eficiência energética, mas também com um investimento forte nos transportes”, alargando o passe social ao resto do território e investindo “a sério” na ferrovia.

“O que vamos fazer agora é aguardar a entrega do OE na Assembleia da República. Naturalmente que se considerarmos que o OE dá resposta aos problemas dos portugueses e do país votaremos a favor, se considerarmos que não, votaremos contra”, reiterou José Luís Ferreira.

Recomendadas

Luís Menezes Leitão formaliza recandidatura a bastonário da Ordem dos Advogados

O atual bastonário da Ordem dos Advogados, Luis Menezes Leitão, anunciou que formalizou esta terça-feira em Lisboa a sua recandidatura ao cargo para o triénio 2023-2025.

Censura do Chega a Santos Silva “padece de inconformidade constitucional e regimental”

A iniciativa do Chega que pretende censurar o comportamento do presidente do parlamento, Augusto Santos Silva, “padece de inconformidade constitucional e regimental”, não tendo condições para ser admitida, defende um parecer elaborado pela deputada única do PAN.
Carlos Moedas

Um ano de Carlos Moedas. Oposição lança críticas à liderança do autarca da Câmara de Lisboa

No geral, PS, PCP e BE fazem uma avaliação negativa da liderança do presidente da Câmara Municipal de Lisboa e todos os partidos falam em retrocessos ou más decisões, especialmente no que toca à habitação.
Comentários