PEV diz que solução para a TAP “ficou aquém”

O deputado José Luís Ferreira afirma que “uma auditoria só ia confirmar o que já sabemos, que a gestão foi um desastre”.

Cristina Bernardo

O Partido Ecologista “Os Verdes” (PEV) afirmou esta sexta-feira que a realização de uma auditoria à TAP iria apurar responsabilidades de uma gestão que foi “ruinosa” e um “desastre”, disse José Luís Ferreira. Na reação partidária, o deputado d’Os Verdes sustentou que “não é preciso fazer muito esforço para perceber que a gestão da TAP foi ruinosa para o país”.

“Uma auditoria só ia confirmar o que já sabemos, que a gestão foi um desastre”, referiu José Luís Ferreira, acrescentando que uma auditoria “visa apurar responsabilidades que possam haver durante estes anos” em que a TAP apresentou maus resultados.

Em declarações à imprensa, José Luís Ferreira afirmou que o lançamento de algumas rotas da TAP foi feito “sem ter em conta o interesse público” e que “apenas se preocupou com as vantagens para a empresa” que está desligada e que virou costas “a qualquer contributo para o lançamento da economia perante a fase que estamos a viver” com a pandemia da Covid-19.

Relativamente ao reforço de capital público por parte do Estado, o deputado do PEV defende que este aumento de capital deve ser “refletido ao nível do peso da gestão do Estado nesta importante empresa, que é estratégica e muito importante para o desenvolvimento do país”. Assim, José Luís Ferreira apontou é preciso uma gestão pública “numa empresa tão importante como a TAP”.

No entanto, a solução encontrada pelo Estado, em conjunto com os acionistas privados, “ficou aquém” para o partido, que entende “que o capital privado não deve fazer parte da equação e solução para os problemas da TAP” e que o partido pretende o “controlo público sobre a TAP, considerando que o capital privado não faz parte da equação” para a gestão da empresa.

Com o investimento do Estado, que fica com 72,5% da transportadora aérea portuguesa após a saída de David Neeleman por 55 milhões de euros, Humberto Pedrosa, dono da Barraqueiro, é o único acionista privado da TAP que se mantém.

Relacionadas
TAP Portugal

“TAP deve alienar ou encerra a operação do Brasil”, diz Associação Comercial do Porto

O maior problema da TAP está concentrado na operação no Brasil, segundo a ACP. Vender ou fechar essa operação é a única hipótese.

PCP diz que TAP não pode ser “perfilada para o futuro como apêndice de uma companhia aérea estrangeira”

Bruno Dias frisa que Portugal “não se pode dar ao luxo de perder a TAP ou boa parte dela”. Sobre a auditoria pedida pelo BE, o deputado do PCP diz que o partido está disponível “para avaliar e discutir todas as iniciativas que possam contribuir para defender a companhia”.

Bloco de Esquerda defende auditoria à gestão privada da TAP

A deputada bloquista Isabel Pires refere que “é importante que o país perceba exatamente o que se passou durante a gestão privada e também para salvaguardar parte do erário público com essa mesma auditoria”.

PremiumHumberto Pedrosa: “Vamos lutar para que a TAP seja a maior possível”

Acordo com Neeleman evita nacionalização. Estado reforça posição e altera o CEO. Humberto Pedrosa diz que vai lutar para evitar uma TAP pequena.
Recomendadas

Desafios tecnológicos, burocracia, renováveis e perda de água em debate

A transição energética em Portugal e na Europa esteve em debate na conferência do sexto aniversário do Jornal Económico.

Transição energética não pode ser feita sem as pessoas

Empresas do sector energético destacam a importância das pessoas nos seus projetos. A transição não pode ser feita sem o envolvimento das populações locais e sem a conversão de postos de trabalho.

Escassez de carros e inflação dominam mercado da gestão de frotas

Há falta de carros, há falta de peças, há uma inflação galopante no preço das viaturas e há o perigo do abrandamento económico. São fatores negativos para as gestoras de frotas das empresas. Mas as gestoras têm soluções.
Comentários