Pharol com prejuízos de 56 milhões até setembro

Empresa tem a receber 897 milhões de euros da Rio Forte

Angel Navarrete/Bloomberg

A Pharol, acionista da Oi, encerrou os primeiros nove meses do ano com um resultado líquido negativo de 56,1 milhões de euros, em contraste com os 137 milhões registados no ano anterior.

A contribuir para os resultados apresentados hoje estão essencialmente a perda de 48,8 milhões de euros – revisão em baixa do valor de recuperação do investimento na Rio Forte -, os custos operacionais consolidados de 6,1 milhões de euros, a perda de 5 milhões no seguimento da desvalorização da opção de compra de ações da Oi – a Pharol tem uma opção de compra superior a 10% – , bem como o ganho líquido de 4,9 milhões de euros relativo à reversão da imparidade registada sobre o investimento da Oi em 225,6 milhões de euros, que compensou a apropriação dos prejuízos acumulados da Oi até setembro em 220 milhões.

O EBITDA – resultado antes de impostos, juros, depreciações e amortizações – foi negativo e fixou-se em seis milhões de euros, registando-se uma melhoria em relação aos 16,9 milhões de euros negativos do período homólogo

“Esta redução é explicada por elevada redução de serviços de terceiros relacionados com consultoria e assessoria legal e menores custos com pessoal e menores impostos indiretos”, pode ler-se no comunicado. Os custos com pessoal ascenderam a 1,6 milhões de euros, tendo diminuído em relação aos 2,7% registados no período homólogo.

Segundo a Pharol, “na sequência das declarações dos administradores judiciais, que referiram no seu último comunicado que não se pode excluir que o arresto de bens requerido pelo Ministério Público impeça de forma prolongada, ou mesmo definitivamente, a sua recuperação e distribuição pelos credores, o montante expectável de recuperação do instrumento de dívida Rioforte foi revisto e reduzido para 9,56% do seu valor nominal”.

“Confrontada com fatores exógenos de elevado impacto na sua demonstração de resultados e na sua situação patrimonial – de que, neste terceiro trimestre, a imparidade registada no crédito sobre a Rioforte é um exemplo -, a Pharol continua fortemente empenhada em reduzir os riscos de variação de valor dos seus ativos e em controlar muito estritamente os seus custos operacionais”, afirmou Luís Palha da Silva, presidente da Pharol.

“Na Oi, a Pharol continuará a dar a sua colaboração para que o processo de recuperação judicial seja um sucesso, atendendo aos interesses de todos os diferentes ‘stakeholders’ [partes envolvidas] em presença”, continuou.

Recomendadas

Conferência “Poupar e Investir para um Futuro Melhor” a decorrer em Lisboa, com o apoio do Jornal Económico

A conferência é organizada pela Optimize Investment Partners, sociedade gestora portuguesa que disponibiliza uma gama de soluções de investimento para diversos perfis de risco e objetivos. Moderada por Nuno Vinha, subdiretor do Jornal Económico, consiste numa palestra de 30 minutos de cada um dos quatro oradores, um coffee break e uma mesa redonda com espaço para perguntas e respostas e interação com a plateia.

SIBS: mais de um quinto do valor gasto na Black Friday foi em compras online

O comércio online continua a ganhar peso nas compras em Portugal. Dados da SIBS revelam que 22% do valor gasto na última Black Friday foi em compras online, um peso que bate por muito os 18% do ano passado.

União Europeia, G7 e Austrália limitam barril de petróleo russo a 60 dólares

Os 27 estados-membros da UE chegaram a acordo, esta sexta-feira, no estabelecimento de um teto máximo para o preço do petróleo russo nos 60 dólares por barril. Os sete países mais industrializados do mundo (G7) e a Austrália juntam-se na decisão.
Comentários