Pharol preocupada por programa de recuperação da OI não ter sido apresentado

A Pharol reafirma que, em conjunto com os seus assessores, irá proceder “a profunda análise” do plano de recuperação judicial que venha a ser submetido à Justiça brasileira.

Luís Palha da Silva, CEO da Pharol

A Pharol, o maior acionista da brasileira Oi, manifestou hoje a sua preocupação com o plano de recuperação da Oi, pois “até á data” não foi divulgado publicamente, nem disponibilizado aos seus acionistas.

Daí que a Pharol refira, num comunicado enviado esta noite à Comissão de Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), que “ainda não tem conhecimento dos seus termos”, embora já tenha sido aprovado em assembleia-geral de credores a 19 de dezembro deste ano.

“As poucas informações disponíveis através da comunicação social apontam para a manutenção de aspetos negativos quanto à falta de equidade e de adoção de uma governança insólita, já apontados na versão do plano apresentada em juízo no dia 12 de dezembro de 2017, sem prévia aprovação do Conselho de Administração da Oi S.A. ou dos seus acionistas”, lê-se no comunicado.

A Pharol reafirma que, em conjunto com os seus assessores, irá proceder “a profunda análise” do plano de recuperação judicial que venha a ser submetido à Justiça brasileira.

A empresa realça que utilizará os meios legais ao seu alcance, em todas as jurisdições, no “melhor interesse da própria Oi S.A”., para que sejam afastadas eventuais ilegalidades e observados os direitos dos seus acionistas.

Recomendadas

BNA levanta suspensão da participação no mercado cambial imposta ao Finibanco Angola

O Finibanco Angola tinha sido suspenso de participar no mercado cambial, por um período de 45 dias, pelo Banco Nacional de Angola (BNA), depois de o supervisor bancário angolano detectar incumprimentos durante uma inspecção pontual, em meados de agosto.

“Café com o CEO”. Assista à conversa com o Dr. Luís Teles, em direto a partir de Luanda

“Café com o CEO” é uma iniciativa promovida pela empresa angolana E.J.M, fundada por Edivaldo Machado em 2012, que procura dar a conhecer os líderes que estão a dar cartas em Angola e outros países da Lusofonia. Assista à sessão em direto de Luanda, capital angolana.

Rogério Carapuça: “Há que estar entre os primeiros, não ser o primeiro dos últimos”

O presidente da APDC considera que o desenvolvimento do sector das TIC se dá a um ritmo saudável apesar dos obstáculos concretos que ainda impedem o país de estar entre os melhores classificados. A capacitação e qualificação das pessoas e das empresas são desafios no topo da agenda, mas a simplificação é palavra de ordem para abandonar o paradigma da burocracia que assombra os serviços públicos, alerta Rogério Carapuça.
Comentários