PIB aumentou 7,0% para 214,5 milhões em 2021

Depois de ter sido registada uma redução de 6,5% em 2020, o crescimento do ano passado corresponde a uma variação real de 5,5%, de acordo com os dados do INE.

O PIB estimado para 2021 é de 214,471 mil milhões de euros. Um aumento nominal de 7,0% face a 2020, ano em que este indicador foi largamente afetado pela pandemia (contraiu 6,5%). A este crescimento, corresponde uma variação real 5,5% (-8,3% em 2020) e um crescimento no deflator implícito de 1,4% (2,0% em 2020), de acordo com os dados do INE.

De referir que todas as grandes componentes de despesa aumentaram significativamente no ano transato, destacando-se o crescimento em volume das exportações de bens e serviços, que atingiu 13,5%.

O Valor Acrescentado Bruto (VAB) aumentou 6,3% em termos nominais e 4,9% em volume. Crescimentos que, ainda assim, não compensaram as perdas registadas em 2020 (-5,8% e -7,8%, pela mesma ordem).

O Rendimento Nacional Bruto (RNB) subiu 7,3% em 2021, o que compara com um decréscimo de 5,5% em 2020.

Em 2021, o emprego, medido em número de indivíduos, cresceu 1,9% (-1,8% em 2020). A quantidade de horas trabalhadas aumentou 3,1%, na sequência de uma redução de 8,6% em 2020.

Recomendadas

Ministra sinaliza que trabalhadores que recebem salário mínimo não terão perda de poder de compra em 2023

Vem aí uma “negociação intensa”, antecipou a ministra do Trabalho, à saída da reunião em que apresentou aos parceiros sociais as propostas do Governo para o acordo de rendimentos. Entre elas, está a vontade que o salário mínimo suba mais do que a inflação.

Fenadegas pede apoio para adegas cooperativas e produtores de vinho

A Fenadegas diz que “contrariamente às expetativas criadas, nas medidas anunciadas pelo governo para colmatar os efeitos negativos desta crise, não foi previsto nenhum apoio específico para os produtores de vinho e suas unidades de vinificação”.

Goldman Sachs prevê queda de 1% do PIB da zona euro até ao segundo trimestre

“Os sectores químico e automóvel da Alemanha confirmam que o ritmo de paralisações por causa do aumento dos custos de energia provavelmente acelerará”, reforçam os economistas do Goldman Sachs.
Comentários