PIB cresce 0,2%. Pires de Lima diz que modelo de crescimento é “saudável”

O ministro da Economia, António Pires de Lima, considera que o modelo de crescimento da economia portuguesa é “saudável” porque está assente na confiança e numa balança comercial positiva. A economia portuguesa cresceu 0,2% no terceiro trimestre face ao segundo e 1,0% face a igual período do ano passado, segundo dados divulgados hoje pelo Instituto […]

O ministro da Economia, António Pires de Lima, considera que o modelo de crescimento da economia portuguesa é “saudável” porque está assente na confiança e numa balança comercial positiva.

A economia portuguesa cresceu 0,2% no terceiro trimestre face ao segundo e 1,0% face a igual período do ano passado, segundo dados divulgados hoje pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

A estimativa rápida divulgada hoje pelo instituto mostra, assim, que a economia portuguesa acelerou em termos homólogos, já que no segundo trimestre do ano havia crescido 0,9%. Já na evolução em cadeia, a economia desacelerou face ao crescimento de 0,3% registado no segundo trimestre.

“É um modelo de crescimento saudável porque está assente na confiança, isto e no consumo privado e na melhoria das condições de vida das pessoas (…), mas também no facto de termos exportações que cresceram de 28 para 42% do PIB [Produto Interno Bruto] e são maiores do que as importações”, disse Pires de Lima aos jornalistas à margem da III Conferência Franco-Portuguesa, em Lisboa.

De acordo com Pires de Lima, o crescimento “moderado” da economia portuguesa estará ainda assente, embora ainda não se conheçam os dados, “num ano de 2014 onde pela primeira vez o investimento cresceu em 12 anos”.

Para o ministro, os números do INE estão assim “em linha” com as previsões feitas pelo Governo, transmitindo, assim, um “sinal de esperança para todos os portugueses”.

“Temos todas as razões para manter este equilíbrio nos próximos anos”, conclui.

OJE/Lusa

Recomendadas

Santana Lopes perspetiva ano económico “muito difícil” em 2023

Santana Lopes mencionou também o aumento “escandaloso” de quatro vezes a taxa base do custo da tarifa de tratamento dos resíduos sólidos urbanos a pagar à Empresa de Resíduos Sólidos Urbanos do Centro (ERSUC), cujo acionista base é privado.

Preços da energia em Itália vão subir ainda mais apesar de já estarem elevados

O Executivo de Roma já dedicou este ano 60 mil milhões de euros a medidas para procurar reduzir o impacto da subida destes preços.

Crise/inflação: Costa recusa razões para alarmismo sobre panorama dos créditos à habitação

António Costa procurou assegurar que o seu Governo está “atento” face ao impacto da subida dos juros nas prestações a pagar pelas famílias com créditos à habitação.