PIB cresce 4% na zona euro e UE no segundo trimestre deste ano face a 2021

Por Estados-membros, no segundo trimestre deste ano, Portugal (-0,2%) foi um dos que teve maiores decréscimos em relação ao trimestre anterior, apenas superado pela Letónia (-1,4%) e Lituânia (-0,4%).

O Produto Interno Bruto (PIB) da zona euro e da União Europeia (UE) registou, no segundo trimestre, uma subida de 4% em comparação com o período homólogo de 2021, crescendo ainda face aos primeiros três meses deste ano.

Numa estimativa preliminar hoje divulgada, o serviço estatístico da UE, o Eurostat, informa que em comparação com o mesmo trimestre do ano anterior, o PIB ajustado sazonalmente aumentou, no segundo trimestre de 2022, 4% tanto na zona euro como na UE.

E, de acordo com os mesmos dados, as taxas de crescimento homólogas foram positivas para todos os países para os quais existem dados disponíveis, tanto da moeda única, como do espaço comunitário.

Na variação em cadeia, o PIB ajustado sazonalmente aumentou, no segundo trimestre deste ano, 0,7% na zona euro e 0,6% na UE em comparação com o trimestre anterior.

Por Estados-membros, no segundo trimestre deste ano, Portugal (-0,2%) foi um dos que teve maiores decréscimos em relação ao trimestre anterior, apenas superado pela Letónia (-1,4%) e Lituânia (-0,4%).

Pela positiva, os maiores aumentos trimestrais foram registados na Suécia (+1,4%), seguida por Espanha (+1,1%) e Itália (+1%).

Recomendadas

OCDE diz que crescimento na maioria das grandes economias deverá deteriorar-se

Segundo a Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Económico, os indicadores “permanecem abaixo da tendência e continuam a antecipar uma perda de dinamismo de crescimento” na maioria destes países.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta terça-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta terça-feira.

Revista de imprensa internacional: as notícias que estão a marcar a atualidade global

FBI realiza buscas na propriedade de Donald Trump em Mar-a-Lago, nos EUA; Rússia aponta as sanções dos EUA como motivo para não receber inspeções ao seu arsenal nuclear; governo espanhol vai levar ao tribunal constitucional as regiões autónomas que incumpram acordo de redução de consumo energético
Comentários