PIB da OCDE aumenta 8,1% no terceiro trimestre mas ainda aquém do pré-pandemia

O PIB dos países da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico entre julho e setembro foi 2,4% inferior ao do último trimestre de 2019.

O Produto Interno Bruto (PIB) dos países da OCDE registou uma forte recuperação no terceiro trimestre do ano, ao crescer 8,1%, mas sem atingir os níveis anteriores à pandemia da covid-19, foi esta segunda-feira anunciado.

O PIB dos países da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico) entre julho e setembro foi 2,4% inferior ao do último trimestre de 2019, antes do início da pandemia do novo coronavírus.

Nos países mais atingidos pelos encerramentos e confinamentos para travar a pandemia durante o segundo trimestre do ano, ocorreram aumentos significativos no terceiro trimestre, tais como em França (18,7%), Itália (15,9%), Turquia (15,6%) ou no Reino Unido (15,5%).

Outras grandes economias conseguiram aumentos mais modestos, como a Alemanha (7,7%), Brasil (7,4%) e Estados Unidos (5,3%).

A União Europeia registou um aumento de 11,5% e a zona euro de 12,5%.

No conjunto dos países do G20, o PIB foi 2% inferior ao do terceiro trimestre do ano passado, com apenas dois países a registar aumentos, a Turquia (5,4%) e a China (4,9%)

A Índia foi o país do G20 com a mais forte recuperação trimestral, com o PIB a crescer 21,9%, depois de ter sofrido uma queda de 25,2% no segundo trimestre, a maior queda jamais registada.

Recomendadas

Cinco milhões para ações de emergência na serra da Estrela até final do ano

O ministro do Ambiente e da Ação Climática, Duarte Cordeiro, disse que o Fundo Ambiental disponibiliza, até ao final do ano, cerca de cinco milhões de euros para ações de emergência.

Costa Silva: Próximos anos não vão ser “cor-de-rosa” para a economia portuguesa

António Costa Silva, ministro da Economia, afirma que “não é com receitas do passado que vamos resolver os problemas”, defendendo que “para resolver os problemas de curto prazo, precisamos de uma visão de longo prazo”.

Dionísio Pestana pede reforma dos impostos como apoio às empresas

O presidente do Grupo Pestana afirma não precisar de ajudas diretas, perante o cenário de incerteza, mas pede ao Governo que avance com uma reforma nos impostos, apontando para a TSU.
Comentários