PIB dos EUA cresce acima do previsto no 3.º trimestre

Incremento das exportações foi revisto em baixa, de 1,9% para 0,9%, enquanto as importações recuperaram ligeiramente até 2,1%

O PIB dos EUA cresceu no terceiro trimestre de 2015 a uma taxa de 2,1%, o que significa uma revisão em alta em comparação com o valor de 1,5% calculado há um mês, informou o Departamento de Comércio na segunda estimativa divulgada.

A cifra coincide com a esperada pelos analistas, ainda que seja menor que a taxa anual de 3,9% registada no trimestre passado. A principal razão deste incremento, superior ao previamente estimado, justifica-se no crescimento dos inventários das empresas que subiram de 56.800 milhões de dólares para 90.200 milhões de dólares.

O gasto dos consumidores, que supõe dois terços da atividade económica com o países, expandiu-se 3%, frente aos 3,2% inicialmente calculado, ainda que continue a mostrar solidez. Espera-se que este indicador continua a mostrar vitalidade nos meses que restam deste ano, impulsionado pelos baixos preços do petróleo e a chegada da temporada de compras natalícias.

O incremento das exportações foi revisto em baixa, de 1,9% para 0,9%, enquanto as importações recuperaram ligeiramente até 2,1%. O terceiro e definitivo cálculo sobre o PIB do terceiro trimestre será dado a conhecer no próximo dia 22 de dezembro.

OJE

Recomendadas

Novabase suspende programa de recompra de ações

A tecnológica já tinha suspendido o programa em junho, tendo depois voltado a retomá-lo. Segundo informação publicada nessa altura, o programa estava previsto durar até 31 de dezembro de 2023.

Encarnado toma conta de Wall Street no fecho da sessão

Mesmo as ações da Taiwan Semiconductor Manufacturing, que negoceia no Dow Jones, caíram mais de 3% apesar de a empresa ter anunciado um investimento de 40 mil milhões de dólares no Arizona, o maior de sempre neste estado norte-americano.

Europa fecha em queda e PSI não é exceção. Juros soberanos em queda

As bolsas europeias fecharam em queda influenciadas pelos indicadores do Estados Unidos que sugerem maior agressividade na subida dos juros do outro lado do Atlântico.