PIB português contrai 0,2% no segundo trimestre do ano

A economia portuguesa contraiu, no segundo trimestre, face ao arranque do ano, revela o INE. Em causa está uma variação de -0,2%. Já face ao período homólogo, registou-se um crescimento de 6,9%.

Entre abril e junho, a economia portuguesa recuou 0,2% em cadeia, por efeito da contração da procura interna, revela a nota divulgada esta sexta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). Já em termos homólogos, o Produto Interno Bruto (PIB) nacional cresceu 6,9%, mas essa variação, avisa o gabinete de estatísticas, reflete, pelo menos, em parte um efeito de base, na medida em que no segundo trimestre de 2021 estavam em vigor medidas de combate à crise pandémica, que acabaram por condicionar a atividade.

“Comparando com o primeiro trimestre de 2022, o PIB diminuiu 0,2% em volume, após um crescimento em cadeia de 2,5% no trimestre anterior, em resultado do contributo negativo da procura interna para a variação do PIB”, explica o INE, no destaque publicado esta manhã.

Por outro lado, a procura externa líquida aumentou, entre abril e junho, contribuindo de modo positivo para a economia. Tal reflete, salienta o gabinete de estatísticas o “crescimento em cadeia em mais acentuado das exportações de bens e serviços que o da importações de bens e serviços”.

Na mesma linha, mas no que diz respeito ao crescimento do PIB de 6,9% face ao trimestre homólogo de 2021, o INE dá conta de que o contributo da procura interna diminuiu, enquanto o da procura externa líquida aumentou.

“O contributo da procura interna para a variação homóloga do PIB diminuiu no segundo trimestre, verificando-se um crescimento menos acentuado do consumo privado e do investimento”, sublinha o gabinete de estatísticas. E acrescenta: “o contributo positivo da procura externa líquida para a variação homóloga do PIB aumentou, em resultado da aceleração mais acentuada das exportações de bens e serviços que a verificada nas importações de bens e serviços.”

De notar que, no segundo trimestre, os preços implícitos nos fluxos de comércio internacional registaram uma subida significativa, “tendo-se registado uma maior aceleração nas exportações devido às componentes de serviços, determinando uma perda dos termos de troca menos intensa que no trimestre anterior”, realça ainda o INE.

É importante realçar que, no destaque publicado esta manhã, o gabinete de estatísticas reviu em baixa de 0,1 pontos percentuais o crescimento (em cadeia e homólogo) verificado no primeiro trimestre, depois de ter incorporado mais informação sobre o comércio internacional de bens nos seus cálculos.

Para o conjunto do ano, o Governo estima um crescimento do PIB de 4,9%, idêntico ao do ano passado. A previsão do Executivo de António Costa é, contudo, das menos otimistas, já que, por exemplo, a Comissão Europeia projeta um crescimento do PIB português de 6,5% e o Banco de Portugal antecipa um aumento de 6,3%.

(Notícia atualizada às 10h11)

Recomendadas

Cinco milhões para ações de emergência na serra da Estrela até final do ano

O ministro do Ambiente e da Ação Climática, Duarte Cordeiro, disse que o Fundo Ambiental disponibiliza, até ao final do ano, cerca de cinco milhões de euros para ações de emergência.

Costa Silva: Próximos anos não vão ser “cor-de-rosa” para a economia portuguesa

António Costa Silva, ministro da Economia, afirma que “não é com receitas do passado que vamos resolver os problemas”, defendendo que “para resolver os problemas de curto prazo, precisamos de uma visão de longo prazo”.

Dionísio Pestana pede reforma dos impostos como apoio às empresas

O presidente do Grupo Pestana afirma não precisar de ajudas diretas, perante o cenário de incerteza, mas pede ao Governo que avance com uma reforma nos impostos, apontando para a TSU.
Comentários