Pilotos acusam gestão da TAP de criar “caos completo” se não houver “boa vontade” dos trabalhadores

Segundo o sindicato, “depois de dispensar aviões Airbus e pilotos TAP, a administração continua a acreditar ser possível transportar o mesmo número de passageiros”.

O Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC) acusou hoje a administração da TAP de desenhar um plano de reestruturação que resulta no “caos completo” sem a “boa vontade” dos trabalhadores da companhia, que “se sentem explorados”.

“Um brilhante plano de reestruturação (que ninguém conhece), assente no despedimento cego de trabalhadores e em cortes salariais nunca antes vistos para os poucos que ficaram, levou a uma situação inimaginável para quem desenhou o plano: o caos completo”, sustenta o SPAC num comunicado interno enviado aos associados, a que a agência Lusa teve hoje acesso.

Segundo o sindicato, “depois de dispensar aviões Airbus e pilotos TAP, a administração continua a acreditar ser possível transportar o mesmo número de passageiros”.

“Como? Fácil! Menos trabalhadores, com vencimentos cortados, têm de realizar trabalho suplementar (também com cortes) suprimindo a falta gigante dos trabalhadores despedidos”, denuncia.

Questionando porque não consegue a gestão da TAP “entender como é que os seus pilotos, depois de verem os seus salários reduzidos pela metade, não querem fazer trabalho extraordinário enquanto se mantiverem os cortes salariais”, o sindicato garante: “Quando a ‘boa vontade’ dos trabalhadores não existe, porque legitimamente se sentem explorados, assistimos ao caos que têm sido estes dias e que tem prestado um serviço sofrível aos passageiros”.

Quanto ao argumento da administração “de que o plano [de reestruturação] não permite as mais do que justificadas reposições salariais”, o SPAC contrapõe que “o mesmo plano permite gastar milhões de euros dos contribuintes portugueses e na contratação de empresas como a Bulgaria Air, Eastern airways, Hifly ou Euroatlantic, para realizar os voos da TAP porque despediram e dispensaram trabalhadores a mais”.

Ao mesmo tempo, acrescenta, “o plano também permite o prejuízo de mais de 20 milhões de euros acumulados por dois Airbus A330 que foram ‘convertidos’ em cargueiros, mas que nunca chegaram a voar como tal”, assim como “permite milhões de euros em justas indemnizações a passageiros que, sem culpa nenhuma, se viram dramaticamente afetados por estes atos de gestão que continuam impunes”.

“Quando todas as companhias aéreas da Europa e Estados Unidos da América já retiraram a totalidade dos cortes salariais aos seus pilotos e, neste momento, negoceiam aumentos porque reconheceram que é mais barato do que pagar indemnizações a passageiros e contratar empresas estrangeiras, a administração da TAP mantém-se firme no caminho oposto, desvalorizando o trabalho dos seus pilotos”, acusa.

No comunicado, o SPAC critica ainda o facto de “estes atos arbitrários e fraturantes” acontecerem “com o conhecimento do ministério das infraestruturas”, que deveria ser “o último reduto de intervenção para alterar a forma de operação da gestão da TAP, pela qual é responsável”.

Finalmente, e “para resolver tudo isto”, o sindicato nota ter sido criada a denominada ‘Assistance Team’, para cujo funcionamento a TAP “vem pedir aos mesmos trabalhadores que mantém asfixiados com cortes salariais” que, “em regime de voluntariado, resolvam os problemas criados pela gestão”, lidando com “os passageiros [que] são diariamente transtornados pelos cancelamentos e atrasos”.

“De facto, se não fossem os trabalhadores e os passageiros, a gestão da TAP funcionava”, conclui o sindicato.

 

Recomendadas

Sindicatos atentos ao fundo pensões do BCP

Os Sindicatos Verticais da Banca asseguram aos associados do BCP que tudo farão “na defesa dos seus interesses no Fundo de Pensões do banco”.

BCE vigia 31 bancos por riscos associados à subida das taxas de juro

Banco Central Europeu lançou uma revisão dos riscos de taxa de juro e spread de crédito para avaliar a exposição dos bancos. Numa primeira fase irá monitorizar 31 instituições financeiras

CP transportou 70 milhões de passageiros e supera valores de 2019 no primeiro semestre de 2022

A CP – Comboios de Portugal registou, no primeiro semestre de 2022, um aumento da procura de 77,5%, quando comparado com o período homólogo de 2021, o que se traduz em cerca de 70 milhões de passageiros transportados.
Comentários