Pingo Doce, Intermarché e Minipreço batem supermercados Mercadona no cabaz de Natal

Para a análise, a DECO comparou 1,684 preços de 46 lojas em Barcelos, Maia, Gondomar e Porto. Esta análise teve em conta a proximidade aos supermercados Mercadona com o objetivo de considerar as variações de preços de região para região.

A DECO comparou preços de vários supermercados a norte do país, para concluir que mesmo depois da cadeia espanhola Mercadona ter iniciado atividade em Portugal, as cadeias de supermercados que já existiam em Portugal continuam a ser os mais baratos.

Para a análise, a DECO comparou 1,684 preços de 46 lojas em Barcelos, Maia, Gondomar e Porto. Esta análise teve em conta a proximidade aos supermercados Mercadona com o objetivo de considerar as variações de preços de região para região.

Entre as quatro cidades analisadas, o Minipreço é o mais barato em duas delas, Porto e Barcelos, seguido do Pingo Doce na Maia e o Intermarché em Gondomar. Entre a loja mais barata e a mais cara, a DECO encontrou diferenças de preços de 18% em Gondomar a 29% no Porto.

Recomendadas

“Nova atitude da TAP perante os gastos terá de abranger também os pilotos”, desafia SPAC

“À mulher de César não lhe basta ser séria, tem que parecer séria”. É com esta frase que o Sindicato dos Pilotos de Aviação Civil (SPAC) concluiu um comunicado em que critica a gestão da TAP – entregue atualmente à francesa Christine Ourmiere-Widener – por ter renovada a frota automóvel da administração com mais de 50 […]

TAP diz que renovação da frota automóvel permite poupar anualmente 630 mil euros

A TAP diz que a opção de comprar 50 BMWs representa uma poupança superior a 20% do valor mensal da renda e tributação, relativamente a novos contratos de renting e está em linha com o plano de reestruturação.

Sindicato diz que renovação da frota automóvel da TAP é ética e moralmente condenável

Num comunicado aos associados que a Lusa teve acesso, o Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC) assinala que “foi com enorme estupefação e uma boa dose de vergonha alheia que os sindicatos, os trabalhadores do grupo TAP e os contribuintes portugueses foram confrontados com uma notícia que pode até ter uma rebuscada justificação económica, mas que é ética e moralmente condenável”.
Comentários