Piratas informáticos pró-Rússia “declaram guerra” ao Governo japonês (com áudio)

“Temos a confirmação de que este grupo declarou guerra contra nós e recebemos informações de que também atacaram os sites do metro de Tóquio e de Osaka”, disse o porta-voz do governo japonês, Hirokazu Matsuno, em conferência de imprensa.

O grupo de piratas informáticos pró-russos Killnet “declarou guerra” ao Governo japonês e atacou vários sites governamentais nas últimas horas, em retaliação pelo apoio do Japão à Ucrânia, anunciou hoje o executivo nipónico.

“Temos a confirmação de que este grupo declarou guerra contra nós e recebemos informações de que também atacaram os sites do metro de Tóquio e de Osaka”, disse o porta-voz do governo japonês, Hirokazu Matsuno, em conferência de imprensa.

As declarações de Matsuno surgem horas depois de o grupo Killnet ter divulgado um vídeo anti-japonês.

“Devem estar atentos à situação no mundo. A Rússia não cometeu qualquer crime na Ucrânia, senão o de proteger o povo. Não somos o governo da Rússia e não avisamos mais ninguém”, de acordo com o vídeo, com legendagem em japonês.

Embora os sites do metro de Tóquio e de Osaka tenham tido problemas de acesso durante algumas horas, na quarta-feira, isso não afetou o serviço de transporte. Ambas as páginas estão novamente operacionais, e, de acordo com Matsuno, não houve novos problemas com outros sites.

“O sistema de informação das instituições governamentais é sempre vigiado e a ligação de partilha de informação entre Ministérios está a ser reforçada”, sublinhou o porta-voz.

Cerca de 20 sites geridos por quatro instituições públicas japonesas, incluindo o Ministério do Interior e das Comunicações, o Ministério da Educação e a Agência para a Digitalização, estiveram inacessíveis nos últimos dias.

O ataque em questão foi um DDoS, uma operação geralmente direcionada para empresas e organizações que oferecem serviços pela Internet, na qual os invasores enviam várias solicitações a um ‘site’ para exceder a capacidade de resposta e impedir o funcionamento.

O grupo Killnet, com ligações à Rússia, reivindicou também uma série de ciberataques recentes a sites governamentais de países que demonstraram apoio à Ucrânia perante a invasão das forças russas, iniciada em 24 de fevereiro.

Desde então, o Japão tem vindo a impor sanções à Rússia, proibindo as importações de vários materiais e produtos deste país e congelando os bens de alguns cidadãos russos, incluindo os do primeiro-ministro, Mikhail Mishustin.

Recomendadas

Guterres condena “veementemente” golpe de Estado no Burkina Faso

O secretário-geral da ONU, António Guterres, condenou este sábado “veementemente”, num comunicado, “qualquer tentativa de tomada do poder pela força das armas” no Burkina Faso, um dia após um novo golpe de Estado no país, o segundo em oito meses.

Manifestantes denunciaram repressão violenta sobre ativistas no Irão

Milhares de manifestantes em várias universidades iranianas e em vários países protestaram este sábado contra a repressão sobre movimentos de protesto pela morte de Mahsa Amini, a jovem acusada de violar o código de indumentária da República Islâmica.

Bolsonaro agradece apoio de líderes europeus de extrema-direita, entre eles André Ventura

O presidente Jair Bolsonaro, que pretende ser reeleito no domingo, agradeceu este sábado as mensagens de apoio que recebeu de líderes da extrema-direita da Europa, como o primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orban, ou o líder do Chega, André Ventura.
Comentários