Pires de Lima recebe Banco de Fomento com 100 milhões lá dentro

A Instituição Financeira de Desenvolvimento (IFD), conhecida como Banco de Fomento, vai arrancar com um capital de 100 milhões de euros e será tutelada pelo Ministério da Economia, “em articulação” com a secretaria de Estado do Desenvolvimento Regional. Nos termos do decreto-lei que cria a IFD e aprova os respetivos estatutos, hoje publicado em Diário […]

A Instituição Financeira de Desenvolvimento (IFD), conhecida como Banco de Fomento, vai arrancar com um capital de 100 milhões de euros e será tutelada pelo Ministério da Economia, “em articulação” com a secretaria de Estado do Desenvolvimento Regional.

Nos termos do decreto-lei que cria a IFD e aprova os respetivos estatutos, hoje publicado em Diário da República (DR), a instituição ficará sediada no Porto, conforme havia já sido anunciado, e terá a “missão de colmatar as falhas de mercado no financiamento das Pequenas e Médias Empresas [PME] de cariz não financeiro, que sejam viáveis”, devendo-se a elas “dedicar em exclusivo”.

Assumindo-se como gestor “’grossista’ de instrumentos financeiros públicos de estímulo, incentivo e orientação do investimento empresarial em bens e serviços transacionáveis”, o Banco de Fomento tem o estatuto de “sociedade financeira” e propõe-se “melhorar as condições de financiamento da economia” através da “redução dos custos e aumento das maturidades de financiamento das empresas viáveis, aumento da liquidez disponível e criação de novos instrumentos de financiamento e de capitalização”.

Para o efeito, compete-lhe gerir e administrar fundos de investimento, patrimónios autónomos ou instrumentos análogos suportados por fundos públicos de apoio à economia, assim como realizar operações de crédito, incluindo concessão de garantias e outros compromissos.

O apoio a prestar às PME passa também por “atividade de consultadoria em matéria de estrutura do capital, de estratégia empresarial e questões conexas”, assim como a “consultadoria e serviços do domínio da fusão e compra de empresas”.

O capital social da IFD é de 100 milhões de euros, representado por cem milhões de ações com valor nominal de um euro, sendo o Estado português, através da Direção-Geral do Tesouro e Finanças, o detentor de todas as ações, “mantendo-se, a todo o tempo, o seu único acionista”.

Segundo se lê no decreto-lei, a instituição não poderá investir em dívida pública portuguesa, cabendo-lhe assegurar a gestão de instrumentos financeiros com recurso a financiamento de fundos europeus estruturais e de investimento (incluindo os relativos ao quadro comunitário de apoio 2014-2020), a gestão dos reembolsos associados aos diferentes períodos de programação no âmbito dos fundos europeus e a gestão de instrumentos financeiros com recurso apenas a financiamento de instituições financeiras multilaterais e instituições de desenvolvimento nacionais.

Adicionalmente, competem à IFD “funções de apoio técnico sobre modelos de financiamento público”, sendo o financiamento de longo prazo da instituição “assegurado apenas junto de instituições multilaterais e instituições de desenvolvimento nacionais”.

Nos termos dos estatutos hoje publicados em DR, os membros dos órgãos sociais do Banco de Fomento serão designados por períodos de três anos civis e poderão ser reconduzidos por um máximo de duas vezes, sendo as respetivas remunerações “fixadas de acordo com as regras aplicáveis às empresas públicas e às sociedades financeiras”.

O Conselho de Administração será composto por um mínimo de sete e um máximo de novo membros, eleitos em Assembleia-Geral, competindo ao Estado, enquanto acionista único, eleger o presidente e o vice-presidente da administração, sendo que o primeiro não pode assumir funções executivas.

Salientando que o Banco de Fomento atuará “em estreita parceria e complementaridade com o sistema financeiro”, sem se “sobrepor às atividades desenvolvidas pelas instituições de crédito” nem captar “depósitos nem outros fundos reembolsáveis junto do público”, o decreto-lei que cria a instituição diz que esta pressupõe a “integração progressiva de entidades financeiras existentes na esfera do Estado com funções de gestão de instrumentos financeiros de apoio às empresas”.

A IFD fica sujeita à supervisão do Banco de Portugal e ao controlo regular da Inspeção-Geral de Finanças e do Tribunal de Contas.

Recomendadas

Marques Mendes: “Costa Silva recupera autoridade ou sai. O país precisa de um ministro da Economia forte”

“De um Governo com maioria absoluta, à partida um Governo forte, esperava-se unidade, coesão, determinação, energia, mobilização, espírito reformista. O que encontrámos? Exatamente o contrário”, disse este domingo o comentador da SIC.

Moçambique baixa receitas fiscais do gás ao fundo soberano para 40%

Moçambique deverá ser um dos maiores exportadores mundiais de gás a partir de 2024, beneficiando não só do aumento dos preços, no seguimento da invasão da Ucrânia pela Rússia, mas também pela transição energética.

PCP defende aumento do salário mínimo nacional para 850 euros em janeiro

O secretário-geral do PCP acusou o Governo de querer “retomar todos os caminhos da política de direita, fazer comprimir ainda mais os salários, facilitar a exploração, abrir espaço para os negócios privados na saúde e na educação, condicionando ou justificando as suas opções com as orientações e imposições da União Europeia e do euro”.