PJ constituiu 37 arguidos por desvios de fundos europeus superiores a três milhões

Estão em causa projetos suscetíveis de cofinanciamento pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER), através dos apoios diretos à Internacionalização das PME, no âmbito do Portugal 2020, que envolvem incentivos superiores a três milhões de euros.

A Polícia Judiciária, através da Unidade Nacional de Combate à Corrupção, constituiu 37 arguidos por suspeitas de desvios de fundos europeus que envolvem incentivos superiores a três milhões de euros. A ação surge na sequência de 54 buscas realizadas esta terça-feira.

Em comunicado, a PJ informa que estão em causa projetos suscetíveis de cofinanciamento pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER), através dos apoios diretos à Internacionalização das PME, no âmbito do Portugal 2020.

Podem estar em cima da mesa crimes de fraude na obtenção de Subsídio e fraude fiscal qualificada.

As diligências decorreram na zona de Aveiro, Beja, Braga, Castelo Branco, Coimbra, Évora, Faro, Guarda, Lisboa, Porto, Portalegre, Santarém e Setúbal, em escritório de advogado, residências e escritórios de diversas sociedades. “Foi apreendida vasta documentação e outros elementos de prova, tendo em vista a sua análise, bem como foram constituídos 37 arguidos, 21 pessoas singulares e 16 pessoas coletivas”, informa a nota.

Na operação participou um Juiz de Instrução Criminal e seis Procuradores da República, cerca de duas centenas de investigadores e peritos da PJ, bem como elementos do Núcleo de Assessoria Técnica da PGR.

Relacionadas

Desvio de fundos europeus. PJ faz dezenas de buscas em todo o país (com áudio)

Empresários candidataram-se a fundos comunitários com base em informações falsas, desviando o dinheiro que se destinava a investimentos em vários sectores, revela hoje a “CNN Portugal”.
Recomendadas

DreamMedia invoca acórdão da Supremo Tribunal Administrativo para apelar à exclusão das propostas da JCDecaux

A empresa diz que, como o processo intentado pela DreamMedia ainda não foi apreciado, “quando o for é praticamente inultrapassável que o Tribunal decida, tendo em conta a jurisprudência agora uniformizada pelo STA, a exclusão das propostas da JCDecaux, que assim perde os dois lotes que ganhou”, defende a empresa especialista em outdoors estáticos, digitais, meios de ativação e roadshow.

MEO conhece 2.ª decisão do Tribunal da Concorrência sobre recurso a coima

A empresa recorreu para o Tribunal da Concorrência, Regulação e Supervisão, em Santarém, da condenação de que foi alvo “por combinar preços e repartir mercados com a Nowo” nos serviços de comunicações móveis e fixas.

Joe Berardo. Ministério Público pede apresentações periódicas às autoridades

O Ministério Público (MP) propôs a alteração das medidas de coação de Joe Berardo no caso CGD, requerendo apresentações periódicas às autoridades pelo empresário e admitindo a extinção da maioria das medidas aplicadas há cerca de um ano.
Comentários