Plano de Ação para a Economia Circular vai ser revisto ainda em 2022

“Será dada continuidade à adoção dos princípios de economia circular pelos consumidores, às empresas, ao sector financeiro e ao Estado, apostando na formação e na inovação dirigida a desafios concretos”, garante o programa do novo Governo.

O programa de Governo divulgado hoje, dia 1 de abril, assume que o Plano de Ação para a Economia Circular vai ser revisto ainda este ano.

“Portugal inovou na União Europeia com um Plano de Ação para a Economia Circular com três níveis de ação (nacional, setorial e regional). Em 2022, está prevista a sua revisão para o ciclo 2030, tendo em conta o Pacto Ecológico Europeu. Será dada continuidade à adoção dos princípios de economia circular pelos consumidores, às empresas, ao sector financeiro e ao Estado, apostando na formação e na inovação dirigida a desafios concretos – do ‘design’ às soluções produto-serviço, da remanufactura à reciclagem – vertidos também no PRR [Plano de Recuperação e Resiliência] e nos mecanismos de ‘Do No Significant Harm’, que atingem todas as componentes de financiamento”, explica o referido documento.

Para atingir estes objetivos, o Governo irá rever os mecanismos de ‘fiscalidade verde’ associados à poluição e uso de recursos, com base no trabalho desenvolvido com a Comissão Europeia ao abrigo do Programa de Apoio às Reformas Estruturais, além de incentivar a circularidade na economia, desenvolvendo um ‘Acordo Nacional para Compras Públicas Circulares, e potenciar a formação de ‘hubs’ de economia circular nacionais, para o desenvolvimento de soluções de circularidade no tecido económico nacional.

Apoiar, através do PRR e de outros mecanismos de financiamento europeu e nacional, “o desenvolvimento dos ‘hubs’ referidos, apostando no desenvolvimento de um ‘cluster’ nacional para a remanufactura, lançando um programa para a eficiência material na indústria e criando incentivos à reparação e manutenção de produtos e equipamentos, capitalizando sobre projetos de sucesso, como sejam os que estão ligados à ferrovia e à aeronáutica”, é outra medida enunciada pelo Governo neste domínio.

O Governo diz que vai também “apostar numa maior integração dos princípios de economia circular nos currículos escolares, técnicos, universitários e de formação avançada, e melhorando a informação ao cidadão, designadamente incorporando o cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável [ODS], nos critérios de distinção PME Líder e PME Excelência, desenvolvendo e aplicando rótulos de informação ambiental, sobretudo no retalho, entre outras medidas”.

Acompanhar e contribuir para a harmonização da legislação dos Estados-Membros da União Europeia e para a criação de regimes que reflitam os valores e as prioridades subjacentes à economia circular e que potenciem as valências e o contributo potencial de Portugal; e multiplicar os benefícios associados às comunidades de energia, para comunidades de sustentabilidade, em articulação com os municípios, alargando o âmbito a outros recursos, incentivando a produção e transação de produtos com menor pegada ecológica, promovendo a circularidade na construção através de programas de reabilitação, e promovendo os circuitos locais de produção e consumo com base nas alterações aos instrumentos de política pública presentes e futuros são outros objetivos elencados nesta área pelo programa do novo Governo.

O Governo assume também que quer prosseguir com a concretização do ECO.AP 2030, na aposta na eficiência de recursos, na descarbonização e nas energias renováveis pelo Estado, com metas na redução em 40% os consumos de energia primária, em 20% o consumo de água e outros materiais, bem como uma taxa de 5% de renovação energética e hídrica dos edifícios das Entidades da Administração Pública direta e indireta, incluindo serviços centrais e periféricos; e que pretende potenciar as medidas previstas no Plano de Ação da Bioeconomia Sustentável 2030, nomeadamente estreitando a sua relação com a Estratégia de Lamas 2030, o Tomo II do ENEAPAI dedicado ao bagaço de azeitona, e as Orientações Estratégicas para os Biorresíduos, com vista à elaboração da Estratégia Nacional para o Biometano e revisão do Plano Nacional para a Promoção de Biorrefinarias 2030 à luz das novas orientações europeias, ampliando e diversificando as oportunidades de negócio para uso eficiente e regenerativo dos recursos locais, criando procura para a oferta de materiais residuais de base orgânica.

Por fim, o programa do novo Governo assume que quer “evoluir de uma gestão de resíduos para uma gestão de recursos, tendo por base o Plano Nacional de Gestão de Resíduos e Planos adjuvantes, com particular ênfase nas medidas de prevenção de produção de resíduos, continuando o trabalho sobre o processo de classificação de subprodutos, os sistemas de recolha de proximidade, como seja o Sistema de Depósito e Reembolso para embalagens de bebidas, sistemas de reutilização de embalagens, redução de excesso de embalagem, o reforço das obrigações de separação de recicláveis, nomeadamente em todos os serviços da Administração Pública e empresas do Estado, proibição de destruição de ‘stocks’, entre outras medidas; reforçar o apoio à rede nacional de recolha e valorização de biorresíduos, de resíduos têxteis e de outros fluxos específicos, continuando a apoiar os municípios na concretização das suas redes de recolha e encaminhamento e o apoio à concretização de tarifários assentes na quantidade de resíduos produzida e que beneficie quem mais separa materiais recicláveis; e apostar numa campanha nacional de sensibilização ao cidadão sobre uma melhor gestão de recursos.

“Prosseguir com o apoio à melhoria de eficácia e eficiência na gestão do ciclo urbano da água, preconizado no Plano Estratégico para o Abastecimento de Água e Gestão de Águas Residuais e Pluviais 2030, designadamente nos mecanismos de equilíbrio económico e financeiro dos sistemas municipais, na manutenção dos sistemas e redução das perdas de água, inovando nos sistemas de monitorização (‘smart grids’) e no saneamento de águas residuais com programas específicos de alargamento dos sistemas de saneamento de águas residuais; de ligação à rede e novas tecnologias de proximidade e flexibilidade, atuando sobre a gestão e drenagem de águas pluviais, continuando a aposta na Água Residual Tratada associada às ETAR com maior potencial de reutilização, numa gestão eficiente de lamas, e nas medidas associadas ao Plano ZERO de neutralidade energética do Grupo Águas de Portugal”, são outras medidas preconizadas nesta matéria pelo referido documento

Recomendadas

Governo prevê avançar com plano de eficiência hídrica no Tejo e campanhas de sensibilização para a seca (com áudio)

Das albufeiras hidroagrícolas monitorizadas, sete apresentam limitações: Bravura, Santa Clara, Campilhas, Fonte Serne, Monte da Rocha, Arcossó e Vale Madeiro.

Petróleo russo negociado ao largo da Madeira. Manobra em alto mar com riscos ambientais

O petróleo foi transferido de um navio para outro a 100 milhas das águas portuguesas e apenas a poucos dias do embargo russo pela UE ser aprovado.
Nuno Melo

Presidente do CDS-PP defende que PRR possa ser utilizado para fundo ambiental

O presidente do CDS-PP defendeu domingo que o PRR possa ser utilizado para transferências de verbas para um fundo ambiental e classificou de “ridículo” que Portugal tenha um fundo ambiental com 2,6 milhões de euros para 4.550 bicicletas.
Comentários