Plano de Recuperação: Polónia e Hungria chegam a acordo com a Alemanha

Nas vésperas do início do Conselho Europeu, o vice-primeiro-ministro polaco, Jaroslaw Gowin, anunciou que Varsóvia, Budapeste e Berlim alinharam posições para um acordo político.

A Polónia e a Hungria chegaram a acordo com a Alemanha para desbloquearam o orçamento de longo prazo da União Europeia e o Fundo de Recuperação, anunciou o Polónia. A um dia do início do Conselho Europeu sobre esta matéria, o vice-primeiro-ministro polaco, Jaroslaw Gowin, afirmou que Varsóvia, Budapeste e Berlim alinharam posições num acordo político que agora será apresentado aos restantes países da União Europeia.

“Por enquanto, temos um acordo entre Varsóvia, Budapeste e Berlim”, disse o governante polaco esta quarta-feira, em declarações aos jornalistas, citado pela Bloomberg. “Acredito que este acordo irá incluir também as restantes 24 capitais europeias”, acrescentou.

O anúncio de Jaroslaw Gowin ainda não foi confirmado pela Alemanha, que detém ainda a presidência do Conselho da União Europeia, nem pela Hungria. Segundo a Bloomberg, o político polaco vincou acreditar que o acordo final poderá ser concretizado até sexta-feira, quando termina o Conselho Europeu.

A Hungria e a Polónia bloquearam o acordo do orçamento plurianual da União Europeia, avaliado em 1,08 biliões de euros, e que inclui uma alocação de 750 mil milhões de euros do Fundo de Recuperação, por discordarem da condicionalidade ao respeito pelo Estado de Direito.

Os líderes europeus irão reunir durante os próximos dois dias para tentar desbloquear o impasse e libertar os fundos europeus destinados à recuperação da economia.

PremiumConselho Europeu está condicionado pelas suas próprias condições

(Atualizado às 11h35)

Recomendadas

Médicos dão prazo de duas semanas para Ministério da Saúde marcar reunião

“Já fizemos seguir o pedido de reunião ao senhor ministro [da Saúde, Manuel Pizarro] e solicitámos que essa reunião se desenvolva com a celeridade que deve e estabelecemos um limite para nas próximas duas semanas sermos convocados para essa reunião”, adiantou Noel Carrilho.

Número de trabalhadores em layoff clássico cai 6% em agosto

Os empregadores recorreram menos ao layoff clássico em agosto do que no mês anterior. Caiu 6% o número de trabalhadores abrangidos.

Teixeira dos Santos defende que aumentar pensões e Função Pública não alimentaria inflação

Em entrevista ao Público, o ex-ministro das Finanças Fernando Teixeira dos Santos não só não acredita que aumentar as pensões e os salários da Função Pública alimentaria a espiral inflacionista, como atira que o Governo tem de esclarecer melhor o argumento utilizado pelo Governo para limitar as atualizações regulares a que os pensionistas teriam direito.
Comentários