Plano estratégico prevê CGD com prejuízos entre 2 e 3 mil milhões

O Expresso diz que fruto do aumento de imparidades na CGD, o banco terá prejuízos entre 2 e 3 mil milhões de euros.

Rafael Marchante/Reuters

Limpar o balanço este ano, para voltar aos lucros nos próximos anos é estratégia de António Domingues.

O Expresso aponta para a previsão de prejuízos de 2 mil a 3 mil milhões este ano, inerente ao plano estratégico desenhado pelo presidente demissionário.

Tal como o Jornal Económico já tinha dito na edição de sexta-feira, as imparidades vão subir substancialmente no último trimestre. Isto vai afectar o BCP que tem o mesmo auditor que a CGD.

O plano, apresentado há alguns dias às direcções internas da instituição, foi desenhado pela actual equipa de gestão partindo dos objectivos que ficaram acordados com a Comissão Europeia e o Banco Central Europeu (BCE) – o banco assume perdas este ano, libertando a instituição financeira desse impacto negativo nos próximos, avança o Expresso.

Nos primeiros nove meses deste ano, a CGD teve um prejuízo de 189,3 milhões de euros.

A estratégia da actual administração é que a Caixa fique com imparidades para crédito suficientes para que possa regressar aos lucros no próximo ano. Ainda segundo o Expresso o plano de reestruturação aponta para lucros nos próximos quatro anos, prevendo-se que em 2020 sejam já de 670 milhões de euros (dos quais 550 milhões em Portugal).

Entre 2017 e 2020, o plano de reestruturação prevê a saída de 2240 trabalhadores durante esse período, aos quais se somam 490 funcionários este ano. Três quartos resultam de pré-reformas e um quarto de reformas, podendo ainda haver rescisões pontuais, com o encerramento de 180 balcões do banco público até 2020.

 

 

 

Recomendadas

“Angola representa uma oportunidade para os nossos acionistas”, afirma CEO do Access Bank

“Angola representa uma oportunidade para os nossos acionistas participarem no que acreditamos que irá gerar um valor mais forte à medida que África vai emergindo”, explicou Herbert Wigwe, CEO da Access Holding Pics, numa entrevista exclusiva para a Forbes África Lusófona.

Montepio vende Finibanco Angola a grupo da Nigéria

O Acess Bank é uma entidade detida a 100% pela Access Holdings Plc (Access Corporation), um banco comercial que opera através de uma rede de mais de 700 balcões e pontos de atendimento, abrangendo 3 continentes, 17 mercados e 45 milhões de clientes, segundo o Montepio. Valor não foi divulgado.

Lucros do Banco de Fomento sobem 135% para 22,9 milhões de euros em 2021

“Este aumento explica-se, essencialmente, pelo crescimento do produto bancário que passou de 31,89 milhões de euros, em 2020 para 44,69 milhões de euros no ano em análise”, ou seja, subiu 40%.
Comentários