Plataforma da A23 e A25 indignada com ausência da abolição de portagens no OE2023

Em comunicado, a plataforma salientou que “foi sem surpresa, mas com indignação”, que confirmou que “o Governo e o partido (PS) que o suporta na Assembleia da República aprovaram o Orçamento do Estado para 2023, sem nele incluírem a suspensão ou abolição das portagens nas Scut da Beira Interior (A23, A24 e A25)”.

A Plataforma P’la Reposição das Scut A23 e A25 manifestou hoje a sua indignação pela aprovação do Orçamento do Estado para 2023 sem a inclusão da suspensão ou abolição de portagens nas ex-Scut (vias sem custos para o utilizador).

Em comunicado, a plataforma salientou que “foi sem surpresa, mas com indignação”, que confirmou que “o Governo e o partido (PS) que o suporta na Assembleia da República aprovaram o Orçamento do Estado para 2023, sem nele incluírem a suspensão ou abolição das portagens nas Scut da Beira Interior (A23, A24 e A25)”.

Acusaram ainda o Governo e o PS de não apresentarem propostas e, “mais grave ainda, votando contra as propostas de outros partidos”.

“O Governo e os deputados eleitos pela Beira Interior prestaram assim um péssimo serviço à região, às populações, aos trabalhadores e à atividade económica. Foram incapazes de fazer cumprir os compromissos assumidos por António Costa [primeiro-ministro] em 2015, compromissos que foram reiterados por ele e pelas agora ministras da Coesão Territorial e do Trabalho e Segurança Social, enquanto candidatas em Castelo Branco e na Guarda nas eleições legislativas”.

Os utentes prometeram manter uma pressão permanente pela reposição das Scut na Beira Interior (A23, A24 e A25) ainda em 2023 e exigiram a eliminação do pagamento de portagens nestas vias, objetivo que foi apresentado no Conselho Geral e que teve aprovação unânime no recente Fórum de Participação Cívica realizado no início de outubro.

A Plataforma disse que registou as recentes declarações do Governo sobre uma eventual redução do preço das portagens na Beira Interior no primeiro trimestre de 2023, através de um processo legislativo do Governo fora do âmbito do Orçamento do Estado e da Assembleia da República.

“Nesse sentido, queremos deixar muito claro que também não nos esquecemos que a secretária de Estado do Desenvolvimento Regional e o secretário de Estado das Infraestruturas se comprometeram a reunir connosco em dezembro para análise das medidas que o Governo vai adotar”.

Adiantaram ainda que, caso o Governo, no início de dezembro, não dê qualquer resposta aos compromissos que assumiu com a Plataforma, “ponderarão como possível a realização de uma ação em Lisboa em data e com contornos a definir muito brevemente”.

“Para esta ação esperamos que as câmaras municipais e demais autarcas e instituições bem como as CIM [comunidades intermunicipais] da Beira Baixa e Beiras e Serra da Estrela se coloquem ao lado dos interesses das populações, dos trabalhadores e das empresas e se unam no apoio a esta deslocação de protesto e indignação”.

A Plataforma vai também realizar uma reunião para decidir sobre as ações a desenvolver a curto prazo.

A Plataforma P’la Reposição das Scut nas autoestradas A23 e A25 integra sete entidades dos distritos de Castelo Branco e da Guarda – a Associação Empresarial da Beira Baixa, a União de Sindicatos de Castelo Branco, a Comissão de Utentes Contra as Portagens na A23, o Movimento de Empresários pela Subsistência pelo Interior, a Associação Empresarial da Região da Guarda, a Comissão de Utentes da A25 e a União de Sindicatos da Guarda.

Recomendadas

Pfizer regista um lucro anual em 2022 de 31,4 mil milhões de dólares

A farmacêutica registou aumentos nos lucros e nas receitas, mas espera que em 2023 haja uma quebra da faturação, devido à diminuição nas vendas de vacinas e medicamentos contra a Covid-19.

Reabertura “caótica” da China “difícil de digerir” para residentes em Shenzhen

O súbito fim da política de ‘zero casos’, sem anúncio antecipado ou preparação do sistema de saúde, deixou famílias a lutar pela sobrevivência dos membros mais idosos, à medida que uma vaga de infeções inundou os hospitais e crematórios do país.

Tribunal de Contas “atento” ao processo da Jornada Mundial da Juventude

O presidente do TdC precisou ser necessário deixar que o processo corra, acentuando que o Tribunal de Contas (TdC) “está atento [à JMJ] como está atento a outros processos que estão a correr” na sociedade.
Comentários