Plataforma PAR. Seis dúvidas de um cidadão

O OJE quis saber como se pode apoiar e ajudar a Plataforma de Apoio aos Refugiados (PAR). Tire algumas das suas dúvidas. E se tiver mais, pode consultar o site da organização. 1. Tenho um quarto a mais, posso disponibilizar esse quarto para receber um refugiado? A PAR promove o acolhimento de famílias por instituições. Esta […]


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

O OJE quis saber como se pode apoiar e ajudar a Plataforma de Apoio aos Refugiados (PAR). Tire algumas das suas dúvidas. E se tiver mais, pode consultar o site da organização.

1. Tenho um quarto a mais, posso disponibilizar esse quarto para receber um refugiado?

A PAR promove o acolhimento de famílias por instituições. Esta opção prende-se com a complexidade e exigência deste acolhimento, que implica respostas em todas as vertentes como o alojamento, a alimentação adequada, o apoio de saúde, a educação, a aprendizagem do português e a ajuda na integração laboral dos adultos que compuserem o agregado. Não está considerado, por isso, o acolhimento em contexto doméstico.

2. Quero ajudar financeiramente, como o posso fazer?

A campanha de recolha de donativos para apoio aos refugiados que estão nos países de origem ou de trânsito, começou a 1 de outubro. Esta sexta-feira foi anunciada a possibilidade de contribuir através do Multibanco através de um atalho criado para o efeito.

3. Ouvi nas notícias que a Segurança Social terá que vir avaliar as condições em que vivo. É verdade? Como é feita essa análise?

Não temos qualquer informação sobre esta realidade. No entanto, o acolhimento de famílias no âmbito da PAR terá sempre um enquadramento institucional.

4. Quero ajudar com trabalho (por exemplo junto de uma IPSS), como devo estabelecer o contacto?

Logo que seja possível será divulgada a lista de instituições que irão acolher famílias, assim a sua disponibilidade deve ser canalizada para a instituição mais próxima. Pode desde já inscrever-se na base de dados de voluntários, indo a www.refugiados.pt , procurando a área Voluntariado e preenchendo o formulário informando sobre essa oferta.

5. Posso acolher uma criança em minha casa? 

A PAR promove o acolhimento de crianças e das suas famílias, não sendo previsível o acolhimento de crianças isoladas.

6. Prefiro integrar-me numa ação humanitária no local das crises. A quem me devo dirigir? 

Deve dirigir-se ao Alto comissariado para os Refugiados das Nações Unidas ou para as várias organizações a operarem no terreno como a UNICEF, a Cáritas, o JRS, os Médicos do Mundo, entre muitas outras.

 

 

 

No site da PAR pode encontrar mais respostas a dúvidas como estas.

 

Recomendadas

Desflorestação na Amazónia cai pela primeira vez no Governo de Bolsonaro

A Amazónia brasileira perdeu 11.568 km2 de cobertura vegetal entre agosto de 2021 e julho de 2022, menos 11,3% que a devastada no ano anterior. É a primeira redução do desmatamento desde que Jair Bolsonaro chegou ao poder.

Israel: Netanyahu garante que vai manter a controlo sobre a extrema-direita

Primeiro-ministro designado insiste que os radicais com que formará governo não vão tomar o poder nas suas mãos. “Israel não será governado pelo Talmud”. A incógnita é o que acontecerá com o seu julgamento por corrupção.

Parlamento alemão define como genocídio a “grande fome” na Ucrânia

O parlamento alemão aprovou uma resolução que define de genocídio o ‘Holodomor´’, a “grande fome” que atingiu a Ucrânia em 1932-1933 e que terá vitimado mais de três milhões de ucranianos.