Plataforma de rede social ajuda a ensinar música

JAMP Project pretende promover a motivação na aprendizagem através do recurso à inteligência artificial.

A escola de música Lusomusic, em Lisboa, desenvolveu uma ferramenta de ensino musical que funciona como uma rede social. O JAMP Project é uma plataforma que recorre a um algoritmo de inteligência artificial.

As dificuldades que surgem devido à solidão durante a aprendizagem de um instrumento musical foi um dos motores que levaram à criação deste projeto. A plataforma permite que o aluno aprenda de modo lúdico, em formato de jogo, e possa mostrar aos amigos o desenvolvimento das suas competências. Ao mesmo tempo, o professor tem conhecimento do tempo de aprendizagem dos alunos, das suas dificuldades e da progressão das suas competências.

“O JAMP Project mantém a motivação da aprendizagem a um nível elevado, acelerando a curva de aprendizagem, o que o torna mais eficaz do que o modelo tradicional do ensino da música. Estes resultados foram obtidos em testes realizados pela equipa que desenvolveu o projeto, da qual fazem parte músicos, cientistas e engenheiros altamente qualificados”, explica a Lusimusic em comunicado.
Numa primeira fase, o modelo aplica-se ao ensino de piano, mas está pensado para outros instrumentos musicais. Permite praticar a leitura correta de uma pauta, a técnica e o ritmo de execução de uma peça musical, bem como testar o conhecimento de reportório do aluno.

Recomendadas

Sensei quer ser maior player mundial em lojas autónomas – Vasco Portugal

Conferência “Stratups: o motor de inovação do mundo corporate” contou também com a participação de Ana Casaca, Global Head of Innovation da Galp; João Diogo, Head of Retail da Galp; e Diogo Pinto Sousa, diretor-executivo para Small Medium and Corporate Markets da Microsoft Portugal.

Crescimento do empreendedorismo é oportunidade para criar marcas globais – Diogo Pinto Sousa

Conferência “Startups: o motor de inovação do mundo corporate”, promovida pela Microsoft Portugal e da qual o Jornal Económico é media partner, debateu a importância das startups para as grandes empresas e a forma como estas as integram no seu processo de inovação.

Rnters encaixa 1,2 milhões e muda de nome e negócio em prol da economia circular (com áudio)

“É um ‘rebranding’ total. Por total digo: mudança de nome, marca, tom de voz e um novo produto tecnológico”, sintetiza ao Jornal Económico o empreendedor Guilherme Guerra, cofundador e CEO.
Comentários