Pluris de Mário Ferreira abdica do empréstimo de 40 milhões do Banco de Fomento

A empresa justifica esta decisão com base na “salvaguarda do seu bom nome e do seu accionista principal”, anunciando por sua vez um aumento de capital com fundos próprios.

A Pluris Investments vai prescindir do empréstimo de 40 milhões de euros concedidos pelo Banco de Fomento ao abrigo do Programa de Recapitalização Estratégica, criado no âmbito do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), informou a empresa em comunicado esta segunda-feira, 1 de agosto.

“Apesar de ter formalizado a Candidatura ao instrumento de recapitalização disponibilizado pelo Estado Português, em 24 de Fevereiro de 2022, e de a mesma ter sido aprovada pelo Banco Português de Fomento, no passado dia 30 de Junho de 2022, recusa qualquer cêntimo do PRR e que solicitou hoje o cancelamento do pedido de empréstimo ao Banco de Fomento”, pode ler-se no comunicado.

Na base desta desistência está a polémica criada em redor do pedido de empréstimo que iria corresponder a mais de metade dos apoios do PRR e que mereceram críticas da parte da antiga eurodeputada socialista e embaixadora Ana Gomes e da líder do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, tendo mesmo solicitado uma audição de Mário Ferreira na Assembleia da República.

A empresa cujo principal acionista é o empresário Mário Ferreira, justifica esta decisão com base na “salvaguarda do seu bom nome e do seu accionista principal”, anunciando por sua vez um aumento de capital com fundos próprios que será feito na próxima semana.

Esse valor será feito na empresa Mystic Invest que devido à pandemia terá provocado “uma fortíssima deterioração dos níveis de capitais próprios do Grupo, entre Dezembro de 2019 e Dezembro de 2021, num valor superior a mais de 60 milhões de euros”.

Para tal, a Pluris informa ainda que vai vender alguns dos ativos detidos por si.

Recomendadas

Grupo da transportadora aérea Sevenair aumenta receitas devido aos cursos de piloto

A Sevenair Academy viu o EBITDA fixar-se ligeiramente acima dos 2 milhões de euros no ano passado.

Sérgio Figueiredo contratado para consultor de Fernando Medina

O contrato estende-se por dois anos e Sérgio Figueiredo deverá receber um ordenado equiparado ao de um ministro.

SINTAC reúne com DGERT e ANA/VINCI para discutir serviços mínimos a assegurar agosto

Em causa estão ainda outras medidas defendidas pelo sindicato, desde o aumento de salários, para fazer face à inflação, até ao reforço dos recursos humanos.
Comentários