Pode haver “surpresas positivas” em 2015, garante Maria Luís Albuquerque

A ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque, disse sábado à noite em Oliveira de Azeméis que poderá haver “surpresas positivas” em 2015, afirmando que mantém confiança nas previsões do Governo no Orçamento do Estado do próximo ano. “Acreditamos mesmo que elas [previsões] não são optimistas demais e que teremos margem para conseguir resultados melhores até […]

A ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque, disse sábado à noite em Oliveira de Azeméis que poderá haver “surpresas positivas” em 2015, afirmando que mantém confiança nas previsões do Governo no Orçamento do Estado do próximo ano.

“Acreditamos mesmo que elas [previsões] não são optimistas demais e que teremos margem para conseguir resultados melhores até do que aqueles que estão agora no Orçamento e que podemos ter surpresas positivas ao longo do ano de 2015, porque aquilo que estamos a ver como sinais é francamente encorajador”, afirma a governante.

A ministra das Finanças falava numa sessão com militantes, em Oliveira de Azeméis, para discutir o Orçamento do Estado para 2015, no âmbito das IV Jornadas de Consolidação, Crescimento e Coesão, organizadas pelo PSD.

Maria Luís Albuquerque refere ainda que o Orçamento do próximo ano “dá aos portugueses uma perspectiva de um futuro que começa a ser melhor, em que temos crescimento”.

“Saímos da recessão, tivemos um ano de 2014 de crescimento e teremos um ano de 2105 de maior crescimento, que significa recuperação para todos”, diz, admitindo que o Orçamento do Estado para 2016 poderá ser melhor se continuarmos no caminho do rigor, de responsabilidade, do trabalho e da recuperação.

Imediatamente antes da intervenção da ministra das Finanças, o líder parlamentar do PSD, Luís Montenegro, também se referiu às previsões do Orçamento do Estado, afirmando que o Governo “tem falhado muitas vezes, mas a favor do País e do desempenho do País”.

“A ‘troika’ perspectiva para o próximo ano um quadro mais negativo do que aquilo que nós estimamos no Orçamento e, pasme-se, a nossa oposição e o PS, em particular, vieram dizer para ouvir a ‘troika'”, assinala Luís Montenegro.

Parece que o PS “já está com saudades da ‘troika'”, acrescenta.

O líder da bancada parlamentar do PSD critica ainda a atual liderança do PS, afirmando que “revela arrogância e fraqueza”, por se recusar a fazer compromissos.

“Não perdem as eleições por fazer acordos ou compromissos com as questões essenciais”, refere Luís Montengro, considerando que este comportamento político prejudica o País.

OJE/Lusa

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quinta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quinta-feira.

Novo golpe militar no Burkina Faso não é “passo positivo”, segundo Cravinho

O ministro dos Negócios Estrangeiros, João Gomes Cravinho, disse hoje em Paris que o novo golpe militar no Burkina Faso não é “passo positivo”, adiantando que Portugal está “muito preocupado” com a instabilidade na região.

Costa espera que “experiência” de cimeira europeia alargada tenha sucesso

O primeiro-ministro, António Costa, fez hoje votos, à chegada à Praga, para que a “importante experiência” da cimeira inaugural da Comunidade Política Europeia tenha “sucesso”, dado os desafios globais atuais exigirem respostas globais “o mais reforçadas possíveis”.