Poder de compra dos portugueses manteve-se em níveis de 2014

Portugal ocupa a 22.ª posição na lista de Estados-membros liderada pelo Luxemburgo.

Rafael Marchante / Reuters

O Produto Interno Bruto (PIB) ‘per capita’ em Paridades de Poder de Compra em 2015 fixou-se nos 78,6% da média da União Europeia, de acordo com dados divulgados hoje pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

“Em termos nominais, o PIB per capita de Portugal em 2015 apresentou um crescimento de 4,2%, determinado pelo crescimento nominal do PIB (3,7%) e pela diminuição da população (-0,4%)”, pode ler-se no documento publicado pelo INE.

Os primeiros lugares da tabela são ocupados pelo Luxemburgo (263%), Irlanda (177,1%) e Suíça (161,7%). Os países que surgem a fechar a lista são a Macedónia (36,4%), a Albânia (29,7%) e a Bósnia Herzegovina (28%). Na Grécia, o PIB ‘per capita’ reduziu 1% no ano passado, caindo para um lugar relativo inferior ao da Polónia e da Hungria (com 68%).

Segundo o INE, “em resultado dos efeitos multilaterais associados ao cálculo de PPC, os valores observados para 2015 são influenciados pelo crescimento anormal do PIB pc medido em PPC da Irlanda em 2015 (36,6%), que se refletiu num índice de volume ‘per capita’ de 29,6% entre 2014 e 2015. Desta forma a Irlanda passou a ocupar a 2ª posição de entre todos os estados membros da UE, à frente da Suíça e da Noruega, e apenas atrás do Luxemburgo”.

Recomendadas

OE2023: Margem orçamental para função pública está esgotada

Na primeira reunião, realizada na segunda-feira, o Governo indicou que a valorização da administração pública iria custar 1.200 milhões de euros, incluindo aumentos salariais, progressões e promoções e a revisão da tabela remuneratória.

PremiumBdP revê inflação em alta, mas pico já deverá ter passado

Banco central projeta taxa de 7,8%, a mais elevada desde 1993 nos preços, levando a perdas reais nos salários, que crescem a uma taxa mais baixa. Juros em alta não devem criar terramoto na dívida.

PremiumSalário mínimo da Função Pública vai subir 57 euros

A base remuneratória da Administração Pública vai subir 8% em janeiro, o que significa que esses trabalhadores não perderão poder de compra. Já a maioria dos demais funcionários públicos vai ter aumentos abaixo da inflação.
Comentários