Polícia angolana apreende mais de 10.000 quilates de diamantes em Luanda

As autoridades angolanas apreenderam em Luanda 10.200 quilates de diamantes, 14.573 dólares e 495 euros no âmbito da “Operação Transparência”, que decorre em todo o país desde 25 de setembro, anunciou esta quarta-feira fonte oficial.

A informação foi transmitida pelo porta-voz daquela operação policial de combate à imigração e ao garimpo ilegais, comissário António Bernardo, afirmando que a apreensão, dos referidos meios, na capital angolana, foi feita nos dias 10 e 11 deste mês.

De acordo com o oficial superior da polícia angolana, desta ação, que decorreu em Luanda, onde é controlado o “tráfico de diamantes”, resultou também na apreensão de uma viatura, vários equipamentos de apoio, recontagem e determinação do valor do diamante.

António Bernardo adiantou igualmente que a “Operação Transparência” registou já o “repatriamento voluntário” de 439.000 imigrantes ilegais detetados em todo o país – essencialmente nas províncias diamantíferas do leste -, maioritariamente da República Democrática do Congo e que “nada traziam de valioso para o país”.

“Apenas se dedicavam à delapidação da nossa economia e, também, em concurso, o cometimento de vários crimes, como o tráfico de seres humanos, exportação de capitais e até mesmo atos ruins”, apontou.

A “Operação Transparência” começou a 25 de setembro nas províncias angolanas da Lunda Norte, Lunda Sul, Malanje, Moxico, Bié, Cuando-Cubango e Uíje e, em outubro, as autoridades alargaram para as províncias de Luanda, Cabinda, Zaire e Bengo.

O ministro de Estado e chefe da Casa de Segurança do Presidente da República, Pedro Sebastião, é o coordenador desta Operação, criticada por várias organizações não-governamentais, que apontam alegados “excessos” das autoridades angolanas no tratamento dos imigrantes ilegais.

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta segunda-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcaram o dia informativo desta segunda-feira.

Novo mecanismo de ‘financiamento verde’ para África faz primeiro negócio de 100 milhões

O Fundo de Liquidez e Sustentabilidade (LSF), criado pela UNECA e pelo Afreximbank, fez o seu primeiro negócio de 100 milhões de dólares, potenciando as emissões de dívida pública ‘verde’ dos países africanos, incluindo Angola.

China diz que repórter da BBC preso “não se identificou como jornalista”

A China disse hoje que o jornalista da BBC, detido no domingo, durante um protesto em Xangai, não se identificou como jornalista, após a cadeia televisiva britânica ter revelado que um dos seus colaboradores foi preso e “espancado” pela polícia.
Comentários