Polícia angolana dispersa com gás lacrimogéneo tumulto em funeral de músico “Nagrelha”

A polícia angolana está dispersar com gás lacrimogéneo um tumulto nas imediações no cemitério de Santa Ana, onde será sepultado hoje o músico kudurista “Nagrelha”.

As cerimónias fúnebres do músico, que morreu na sexta-feira, atraíram uma multidão de milhares de angolanos no que será o maior funeral de sempre em Luanda.

Esta amanhã havia ainda centenas de pessoas no Estádio da Cidadela, onde decorreram as homenagens, e de onde saiu um cortejo a pé, em candongueiros e com milhares de motoqueiros em direção ao cemitério de Santa Ana.

A grande concentração de pessoas levou a policia a intervir, ouvindo-se disparos, já que apesar de estarem mobilizados 800 agentes, a polícia teve dificuldade em controlar os grandes aglomerados.

O lançamento do gás lacrimogéneo provocou uma debandada e desmaios, com várias pessoas caídas no chão.

Ao longo do cortejo, ouviam-se jovens a chorarem e a gritarem “filho de Zedu”, uma referência ao ex-Presidente angolano José Eduardo dos Santos. Muitos empunhavam vários cartazes e houve quem gritasse “’Nagrelha’ Presidente, João Lourenço chefe de Estado”.

A polícia angolana anunciou ter mobilizado 800 agentes para assegurar o velório, cortejo e funeral do kudurista.

Gelson Caio Manuel Mendes, mais conhecido como “Nagrelha”, o mais célebre cantor do estilo musical kuduro, morreu aos 36 anos em Luanda devido a um cancro no pulmão, segundo o Complexo Hospitalar de Doenças Cardiovasculares D. Alexandre do Nascimento, onde se encontrava internado.

O vice-governador provincial para o setor Político e Social, Manuel Gonçalves, apelou no domingo a todos os cidadãos e aos kuduristas, em particular, para que mantivessem a serenidade, a fim de manter a ordem pública e evitar distúrbios.

Por motivos de segurança, o cemitério está encerrado e exclusivamente reservado ao funeral de “Nagrelha”.

O Secretariado do Bureau Político do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), partido em cujos comícios o artista participava com regularidade, deixou uma mensagem de condolências, elogiando a forma ímpar e inigualável de ser e estar de “Nagrelha”, que inspirou e mobilizou muitos artistas a aderirem ao estilo kuduro.

Para o MPLA, o músico notabilizou-se como um dos mais carismáticos integrantes do grupo musical Os Lambas, responsável pela introdução de um novo paradigma no estilo musical kuduro, marcado por composições com apreciável rima e elevada capacidade criativa, que catapultaram o grupo ao patamar dos melhores no estilo em referência.

Também o grupo parlamentar da União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), principal partido da oposição angolana, endereçou votos de pesar à família, amigos, fãs e ao Ministério da Cultura, considerando “Nagrelha” como um ícone da música popular, especialmente da juventude angolana.

“Falar da morte de ‘Nagrelha’ é falar de uma dor que trespassa os corações de milhares de angolanos jovens e adultos amantes do kuduro”, referiu, num comunicado.

“Carismático, criativo e excêntrico, filho do povo e um dos símbolos da juventude que não se resigna ante as dificuldades sociais e económicas, ‘Nagrelha’ deixa um grande reportório musical que o imortaliza e mantém presente na memória cultural de Angola”, salientou a UNITA.

Recomendadas

Primeiro-ministro de Cabo Verde quer acordo de competividade a médio prazo entre patrões e sindicatos

“Apesar das crises e ultrapassando as crises com muita resiliência, nós estamos a construir a retoma e o relançamento com forte suporte do setor privado”, afirmou o chefe do Governo, na abertura do debate mensal no parlamento, na Praia, neste caso dedicado ao tema “O Setor Privado na estratégia de desenvolvimento sustentável de Cabo Verde”.

Ndambi Guebuza, filho de ex-Presidente moçambicano, condenado a 12 anos de prisão

O tribunal considerou provado que o filho do ex-presidente Guebuza recebeu subornos para influenciar o pai a aprovar o projeto de proteção costeira, usado para a angariação do dinheiro que alimentou as dívidas ocultas.

São Tomé e Príncipe. Contrato que envolve três portos são-tomenses “lesa interesses do país”, diz Patrice Trovoada

“Não posso deixar de dizer as coisas: é um contrato leonino que não serve os interesses do país”, declarou o primeiro-ministro são-tomense, em entrevista à Lusa em Lisboa.
Comentários