Polícia detona bomba em mochila junto a ministério em Atenas

Especialistas em desarmamento de bombas fizeram explodir uma mochila encontrada junto à entrada do edifício do ministério, no centro de Atenas. Ninguém ficou ferido.

“Era uma bomba-relógio”, disse à agência AFP uma fonte da polícia, acrescentando que o engenho era “defeituoso” já que não explodiu à hora para que estava programado.

O jornal Efimerida ton Syntakton disse ter recebido um telefonema anónimo a alertar para a bomba às 23h20 de domingo.

A polícia isolou a área mas 40 minutos depois da hora, a bomba ainda não tinha explodido.
Por precaução, a polícia realizou uma explosão controlada, pelas 02h30, indicou a mesma fonte.

Nenhum grupo reivindicou, até agora, responsabilidade, mas o método utilizado sugere ser da autoria de um grupo de extrema-esquerda.

O incidente aconteceu depois de os deputados aprovarem, no sábado, um novo orçamento que prevê subidas adicionais de impostos e cortes a pensões, exigidas pelos credores internacionais do país.

O governo de esquerda do primeiro-ministro Alexis Tsipras tem sido criticado por ceder aos credores, depois de ter subido ao poder com a promessa de acabar com a austeridade.

Recomendadas

Primeira-ministra dinamarquesa convoca eleições antecipadas para novembro

O Partido Social Liberal, uma das formações que dá maioria ao Governo social-democrata, tinha ameaçado Frederiksen com uma moção de censura se não convocasse eleições, após apresentar em junho um relatório crítico sobre a gestão feita pelo executivo em relação ao abate de milhões de visons, devido a uma mutação do coronavírus.

Prémio Nobel da Química para 3 cientistas responsáveis química ‘bioorthogonal’

O termo química ‘bioorthogonal’ refere-se a qualquer reação química que pode ocorrer dentro de sistemas vivos sem interferir nos processos bioquímicos nativos. O termo foi cunhado por Carolyn R. Bertozzi em 2003.

Japão pede à ONU que mostre firmeza após teste de míssil norte-coreano

“Nós acreditamos que a Coreia do Norte poderia realizar atos mais provocativos, como um teste nuclear”, afirmou o porta-voz do Governo japonês, Hirokazu Matsuno, numa conferência de imprensa.
Comentários