Polícia espanhola retira artefactos medievais de museu catalão

A região de Aragão alega que estes foram vendidos ilegalmente ao museu, e reclama o direito à sua propriedade.

Juan Medina/Reuters

A política espanhola  está a retirar um conjunto de artefactos medievais do Museu Catalão de Leida.

A acção policial resulta de uma disputa de várias décadas entre as regiões da Catalunha e de Aragão. As autoridades de Aragão alegam que os objetos foram ilegalmente vendidos pelas freiras do mosteiro de Sijena ao museu, e que portanto devem regressar à sua região. Em 2015, um tribunal declarou a venda nula, dando razão à pretensão aragonesa, mas até hoje, continuaram na posse do museu de Leida.

Em vésperas das eleições para o parlamento catalão e em plena batalha política em torno da possível independência da região, a acção da polícia, sob ordens do ministro da Cultura de Espanha, provocaram confrontos com alguns habitantes locais.

Carles Puidgemont, o chefe do governo catalão deposto pelo governo central de Madrid depois de ter tentado provocar a independência catalã, acusou as autoridades espanholas de estarem a “pilhar” a Catalunha.

Recomendadas

Mundial2022: Qatar condena campanha “infundada” em resposta a críticas do PE

O Qatar condenou a resolução adotada na semana passada pelo Parlamento Europeu (PE) criticando a sua escolha como sede do Mundial de futebol em curso e denunciou uma campanha “infundada” assente em “acusações falsas e informação enganosa”.

Covid-19: Human Rights Watch pede respeito pelos direitos de manifestantes na China

A Human Rights Watch defendeu hoje que o Governo chinês deve respeitar os direitos de todos aqueles que protestam pacificamente contra as restrições no combate à pandemia de covid-19.

Sociedade civil são-tomense pede investigação internacional a “triste episódio” com quatro mortos

A sociedade civil são-tomense pediu hoje aos parceiros de cooperação uma “investigação internacional urgente” sobre o “triste episódio” do ataque ao quartel militar, na sexta-feira, em que morreram quatro pessoas, alegadamente após “agressão e tortura”.
Comentários