Polícia Judiciária investiga morte de trabalhador agrícola imigrante em Serpa

A Polícia Judiciária (PJ) está a investigar as circunstâncias da morte de um trabalhador agrícola imigrante num olival, no concelho de Serpa, distrito de Beja, apesar de não existirem indícios de crime, revelou hoje fonte policial.

Mário Cruz/Lusa

Segundo a mesma fonte, inspetores da Diretoria do Sul da PJ foram chamados pela GNR, na terça-feira de manhã, ao local onde foi encontrado o corpo do homem, cuja idade e nacionalidade a fonte não soube precisar.

A mesma fonte indicou que, para já, a PJ não tem indícios de que a morte do homem tenha sido um ato criminoso, referindo que os inspetores aguardam ainda os resultados da autópsia ao corpo.

Contactada pela Lusa, uma fonte do Comando Territorial de Beja da GNR limitou-se a adiantar que o caso passou para a alçada da Polícia Judiciária.

Também em declarações à Lusa, o comandante dos Bombeiros de Serpa, José Cataluna, contou que a corporação recebeu o alerta para a ocorrência, na terça-feira, às 08:56, através da GNR.

O corpo, precisou, foi encontrado num olival, situado na zona das Margalejas, entre Pias e Brinches, no concelho de Serpa, só com roupa interior e sem documentação.

“Depois das perícias, os colegas transportaram o corpo para os serviços de medicina legal do hospital de Beja”, acrescentou.

Recomendadas

PremiumJustiça mantém-se como principal custo de contexto dos empresários portugueses

Apesar de uma ligeira melhoria em relação a 2017, o peso do sistema judicial na atividade das empresas continua a ser o principal entrave à sua produtividade. PRR não traz melhorias.

PremiumPorto Law Summit debate sociedades multidisciplinares

As sociedades multidisciplinares – formadas por advogados e outros profissionais – estão a chegar. O bastonário Luís Menezes Leitão, que se recandidata ao cargo, não está disponível para as aceitar.

Duarte Lima sujeito a apresentações periódicas às autoridades

A informação foi adiantada pelo Conselho Superior da Magistratura, após indicação da Comarca de Lisboa Oeste. Esta medida de coação junta-se ao termo de identidade e residência que tinha na condição de arguido deste processo.
Comentários