Polónia acusa Rússia de provocar nova “fome artificial”

Vários líderes europeus viajaram este sábado até Kiev para assinalar o “Holodomor”, a fome causada por Estaline há 90 anos na Ucrânia.

Maksim Levin/Reuters

O primeiro-ministro polaco, Mateusz Morawiecki, juntou-se este sábado às autoridades ucranianas nas cerimónias que assinalam a catástrofe do ‘Holodomor’ e culpou Moscovo de provocar, como há quase um século, uma “fome artificial” como resultado da invasão.

“Reunimo-nos na década de 1990, no aniversário do ‘Holodomor’, que foi criado artificialmente pelo regime comunista russo. Hoje, estamos prestes a assistir a outra fome artificial causada pela Rússia nos países da África e do sudeste Asiático”, alertou.

Vários líderes europeus viajaram este sábado até Kiev para assinalar o ‘Holodomor’ a fome causada por Estaline há 90 anos na Ucrânia, quando ordenou que as colheitas fossem confiscadas em nome da coletivização das terras, e que a Ucrânia considera um “genocídio”.

Para o primeiro-ministro polaco, o bloqueio dos portos ucranianos pela Rússia, agora aberto graças ao acordo indireto alcançado entre Kiev e Moscovo para a saída de cereais e fertilizantes, significaria o bloqueio de ajudas humanitárias.

“Só pode haver um resultado na guerra que a Rússia desencadeou contra a Ucrânia: ou a Ucrânia vai ganhar, ou toda a Europa vai perder. A Europa viu a ameaça da Rússia demasiado tarde, por isso não podemos atrasar a ajuda à Ucrânia”, declarou o chefe do Governo polaco.

Mateusz Morawiecki, que participou nas cerimónias acompanhado pelo primeiro-ministro da Ucrânia, Denis Shmihal, e pela primeira-ministra lituana, Ingrida Simontye, membros da agência trilateral de cooperação do Triângulo de Lublin, disse que a guerra terminará quando “a Ucrânia recuperar todas as casas, todas as escolas, todos os hospitais, todas as pontes e estradas”.

“A Polónia e a Lituânia apoiarão a Ucrânia enquanto for necessário”, referiu, em declarações recolhidas pela Ukrinform.

O ‘Holodomor’, que significa em ucraniano extermínio pela fome, foi cometido pelo regime estalinista na Ucrânia soviética, sendo também designado como “A Grande Fome” ou “A Fome-Terror”, e provocou cerca 3,5 milhões de vítimas entre 1932 e 1933.

Recomendadas

Ucrânia. Joe Biden nega envio de caças F-16 para apoiar na guerra

O presidente dos EUA deixou a garantia de que não vai enviar aquelas aeronaves de combate. Por outro lado, o presidente francês reúne hoje com o ministro da Defesa ucraniano e fez saber que não tomou ainda uma decisão.

Ucrânia: Alemanha não permitirá que guerra seja conflito entre Rússia e NATO

O chefe do governo alemão considerou tratar-se “de apoiar a Ucrânia”, de “ter um debate sério” para tomar decisões necessárias e não “uma competição [para ver] quem manda mais armas”.

Ucrânia: Secretário-geral da NATO defende mundo “interligado” pela segurança

O secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, disse que o apoio da Coreia do Norte à Rússia na guerra da Ucrânia reforça a necessidade de o resto do mundo permanecer “interligado” para garantir a segurança.
Comentários