Polónia tenta restabelecer gás cortado em alguns municípios por empresa russa

O governo e empresas de gás da Polónia tentaram hoje restaurar o fluxo de gás para alguns municípios, depois de uma sociedade russa ter suspendido o fornecimento, uma retaliação pelas sanções impostas devido à invasão da Ucrânia pela Rússia.

Vasily Fedosenko/Reuters

O governo e empresas de gás da Polónia tentaram hoje restaurar o fluxo de gás para alguns municípios, depois de uma sociedade russa ter suspendido o fornecimento, uma retaliação pelas sanções impostas devido à invasão da Ucrânia pela Rússia.

O corte no fornecimento por parte da Novatek foi um desenvolvimento da decisão da Rússia, no início desta semana, de parar as entregas de gás à Polónia.

O porta-voz do governo, Piotr Mueller, disse que a Polónia esperava que a empresa, a Novatek Green Energy, cumprisse imediatamente a exigência de disponibilizar os seus oleodutos às empresas polacas que procuram transportar o seu gás para as 10 áreas afetadas, incluindo a popular estância balnear do Mar Báltico, em Leba.

Mueller avisou que a Novatek poderia enfrentar uma ação judicial ao abrigo das leis de gestão de crises do país, se não cumprir imediatamente.

“Tudo depende se esta empresa, ligada à Rússia, cooperará da forma correta (…). se os funcionários, agindo com algumas instruções, não vão tentar bloquear este processo de alguma forma”, disse Mueller.

Uma subsidiária de um grupo controlado pela OAO Novatek, a segunda maior produtora russa de gás natural Novatek, foi colocada no início desta semana na lista de sanções da Polónia contra 50 empresas russas e bielorrussas.

As empresas polacas de gás PGNiG, PSG e Gaz-System dizem estar preparadas para transportar gás para as áreas afetadas, mas precisam da infraestrutura da Novatek para o fazer.

 

Recomendadas

Rússia expulsa 34 diplomatas franceses

A situação poderá estender-se ao corpo diplomático espanhol, dado que Sergey Lavrov convocou esta quarta-feira o embaixador espanhol em Moscovo, Marcos Gómez.

Zelensky invoca ‘O Grande Ditador’ de Chaplin em Cannes

“O cinema vai ficar calado ou vai falar sobre isto? Se houver um ditador, se houver uma guerra pela liberdade, novamente, tudo depende da nossa unidade. O cinema pode ficar de fora?”, questionou. Por fim, disse que a sua crença é a mesma do clássico cinematográfico: “a liberdade não morrerá”.

Ginasta russo banido por um ano por usar símbolo pró-Putin em competição ganha pela Ucrânia

Ivan Kuliakd deve também devolver a medalha e reembolsar o prémio em dinheiro de 500 francos suíços (cerca de 477 euros) e pagar uma contribuição dos custos do processo no valor de 2.000 francos suíços (1908 euros). O russo pode pedir o recurso nos próximos 21 dias.
Comentários