Polónia vai expulsar 45 diplomatas russos (com áudio)

A Agência para a Segurança Interna (ABW) da Polónia anunciou esta quarta-feira que identificou 45 pessoas – oficiais dos serviços secretos russos e indivíduos com ligações aos mesmos- que usufruíram do estatuto de diplomatas no país, tendo a lista de indivíduos sido entregue ao ministério dos Negócios Estrangeiros polaco, que deverá agora formalizar a sua expulsão do país.

Salário mínimo: 453.48€

A Agência para a Segurança Interna (ABW) da Polónia anunciou esta quarta-feira que identificou 45 pessoas – oficiais dos serviços secretos russos e indivíduos com ligações aos mesmos- que usufruíram do estatuto de diplomatas no país, tendo a lista de indivíduos sido entregue ao ministério dos Negócios Estrangeiros polaco, que deverá agora formalizar a sua expulsão do país.

A decisão foi tornada pública esta quarta-feira pelo representante dos serviços secretos da Polónia, Stanislaw Żaryn, numa publicação feita no Twitter, que remete para um comunicado publicado na página oficial dos serviços secretos polacos.

“Tendo em conta a política da Rússia em relação à Polónia e aos seus aliados, e tendo em conta a agressão russa contra a Ucrânia, o Chefe da Agência solicita a expulsão das pessoas identificadas do território da República da Polónia”, é referido na mesma nota.

De acordo com Żaryn, o Embaixador da Federação Russa na Polónia Sergey Andreyev foi chamado ao ministério dos Negócios Estrangeiros para uma audiência, devendo os próximos passos sobre o caso de espionagem ser tornados públicos em breve.

A “Polskie Radio”, que cita a agência noticiosa estatal PAP, também avança hoje que as autoridades polacas detiveram, no passado dia 17 de março, um funcionário do Serviço de Registo Civil de Varsóvia devido a espionagem para os serviços russos, que poderá ser condenado a 15 anos de prisão.

Segundo o porta-voz dos serviços de segurança da Polónia, o detido terá copiado e transmitido informação diretamente ao Serviço de Inteligência Estrangeiro da Rússia (SVR RF).

Recomendadas

PremiumJá não há forma de a guerra escapar a uma escalada de violência

A decisão de enviar tanques de guerra ocidentais para a Ucrânia transformou os próximos meses numa ‘janela de oportunidade’ para as tropas russas. As notícias de que Moscovo está a preparar nova ofensiva para fevereiro ou março têm tudo para serem levadas a sério.

A União Europeia em Kiev: Uma cimeira sob ameaça de ataque aéreo

Apesar de todos os sinais exteriores de violência, a cimeira não terá ido muito além no tema principal em discussão: não há rigidez na entrada da Ucrânia na União, mas também não parece haver grande pressa.

Alerta de ataque aéreo soa em Kiev no dia da Cimeira UE-Ucrânia (com áudio)

A presidente da Comissão Europeia e o Alto representante da União para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança encontram-se em Kiev para a cimeira.
Comentários