Poluição por plástico: um problema global

Ao contrário das alterações do clima, que não se materializam em algo que possamos ver e tocar, o plástico está aí no chão, no campo, na praia, na berma da estrada, todos o vemos e percebemos que não devia estar onde está. Mas não basta olhar à volta, temos de agir, reduzir o consumo de plástico e produzir menos lixo.

Nos últimos anos, o plástico tem sido notícia em todos os meios de comunicação social, principalmente associado aos impactos que tem no ambiente global e, mais recentemente, também em relação com a legislação implementada na União Europeia (UE) e as possíveis soluções para a sua redução, que vão fazendo o seu caminho.

O plástico tem moldado as nossas vidas e tornou-se uma conveniência da qual dificilmente abdicamos. O uso do plástico apresenta inúmeras vantagens, por exemplo, prolonga a duração dos alimentos e é crucial para muitas aplicações no sector da saúde, evitando contaminações. As extraordinárias propriedades deste material, moldável, flexível, impermeável e leve, permitem as mais diversas aplicações que vieram substituir materiais como a madeira ou o vidro em muitas utilizações.

Para além disso, é um material que se apresenta como sendo durável, embora uma parte muito apreciável seja utilizada em aplicações descartáveis que rapidamente se tornam lixo, e também barato, uma vez que no seu ciclo de vida não são contabilizados os custos das emissões de gases de estufa relacionados com a sua produção, nem o custo dos danos ambientais provocados por uma gestão do seu fim de vida muitas vezes deficiente, ou mesmo inexistente em muitas partes do mundo, e que é ainda agravada por comportamentos negligentes.

A durabilidade e o baixo custo do plástico, combinados com décadas de utilização sem soluções pensadas face a sua acumulação em fim de vida, e ainda a incapacidade da natureza para degradar adequadamente este novo material, vieram criar um problema de poluição global de dimensões gigantescas, pois o Oceano não tem fronteiras e não podemos ignorar que o descarte de lixo plástico no Oceano está a acontecer ao ritmo de um camião carregado de plástico por minuto.

Apesar de se tratar de um poluente persistente, todo o lixo de plástico, no Oceano ou em terra, se vai degradando e quebrando, de forma lenta mas continuada, e ao longo de décadas origina pedaços cada vez mais pequenos, os microplásticos, e que se estima atingirem no Oceano 51 triliões de partículas.

A ciência tem feito progressos apreciáveis relativamente ao diagnóstico da presença e abundância de plástico e microplásticos no planeta, incluindo os organismos e o Homem. Tem igualmente obtido evidências inequívocas do modo como os contaminantes associados ao plástico produzem diversos efeitos negativos, que têm sido registados em experiências de laboratório, quer com peixes e bivalves de que nos alimentamos, quer mais recentemente utilizando cultura de tecidos e linhas celulares humanas, numa preocupação clara com a saúde dos ecossistemas e do Homem.

Sabemos hoje que o plástico e os microplásticos, as partículas e fibras que dele derivam, estão presentes virtualmente em todo o globo, nos oceanos e mares, em todas as profundidades e, no fundo, nos rios e lagos, nos solos, no cimo das montanhas, no gelo dos pólos e na atmosfera. Consequentemente, encontramos plástico nos alimentos que comemos, sejam extraídos do mar como o peixe e os mariscos, selvagens ou de aquacultura, sejam provenientes da agricultura, e também no sal com que os temperamos, na água que bebemos, no ar que respiramos. Diria que basta ir à procura que encontraremos.

O desafio da complexidade

O conhecimento gerado pelo apreciável número de estudos científicos e técnicos em todo o mundo revelou a enorme complexidade do problema da poluição por plásticos.

E são diversas as razões, desde as inúmeras fontes pontuais e difusas que incluem múltiplas actividades humanas, incluindo as industriais, a diversidade de polímeros fabricados a que a indústria junta vários aditivos para conferir, por exemplo, flexibilidade, rigidez, resistência à chama, e a que se associa uma panóplia de muitos outros poluentes anteriormente descartados no ambiente e que adsorvem directamente ao plástico, num verdadeiro cocktail em que se incluem, por exemplo, compostos desreguladores endócrinos, que sabemos serem extremamente prejudiciais, e muitos outros que causam impactos negativos em vários níveis da organização biológica. O plástico torna-se assim um vector de toxicidade quer para os organismos quer para o Homem por contacto, ingestão ou inalação.

A enorme quantidade de plástico que existe já no Oceano e que não parece abrandar, fornece substrato para muitos poluentes, mas também para muitos micro-organismos, alguns patogénicos, facilitando a sua dispersão a longas distâncias, pelas correntes oceânicas.

A complexidade coloca-se também ao nível das soluções com a implementação de nova legislação impondo regras de prevenção e redução do plástico que não raras vezes passam por uma conversão dos processos e mudanças a que a indústria, através dos seus poderosos lobbies, resiste e atrasa a implementação, ganhando tempo, tempo esse que contribui ainda mais para o agravar do problema.

A ciência e a tecnologia trabalham soluções de biorremediação, surgindo novos plásticos na busca de materiais totalmente biodegradáveis. Em janeiro de 2018, a UE lançou a Estratégia Europeia para os Plásticos numa Economia Circular, seguida meses depois pela Directiva dos Plásticos de Uso Único, dirigida aos descartáveis e à sua reciclagem, de modo a reintegrar o material no ciclo de produção, e utilizando o princípio da “responsabilidade alargada do produtor” para responsabilizar os produtores pelos impactes ambientais do fim de vida dos seus produtos. Embora tenham sido dados alguns passos a economia circular do plástico ainda está longe de o ser.

A reciclagem aparece assim como uma solução para o problema do fim de vida do plástico e, muito em particular, dos descartáveis.

No entanto, nem todos os tipos de plástico são recicláveis e os diferentes polímeros não podem estar misturados, implicando custos de separação. Em muitos casos, essa separação não é possível pois a embalagem não foi desenhada para ser reciclada, mas sim para proteger o produto. Por outro lado, os ciclos de reciclagem que um polímero pode suportar sem perder qualidade são limitados, o que obriga à adição crescente de material virgem. Por fim, apenas os polímeros que são recolhidos em quantidades interessantes para a indústria são objecto de reciclagem, que é o caso das garrafas de água, entre outros, sendo a restante maioria encaminhada para o aterro ou para a incineradora.

Os esforços dos consumidores podem, também, contribuir para melhorar a recolha para reciclagem, sobretudo se houver um maior empenho na comunicação por parte das autoridades locais, mas a capacidade técnica de reciclagem é ainda limitada e muito variável globalmente, e segundo as estimativas mundiais apenas 9% do plástico é efectivamente reciclado.

Será assim difícil conter a crescente geração de resíduos deste material, uma vez que a produção mundial foi de 390 milhões de toneladas em 2021 e continua a crescer de forma exponencial, prevendo-se que, no cenário actual, a quantidade de resíduos de plástico triplique em 2060.

Concertar acções

Em Maio deste ano foi aprovado, na Assembleia do Ambiente das Nações Unidas, um acordo que obriga legalmente os países a desenvolverem acções no sentido de prevenir e reduzir a poluição por plásticos. Esta decisão multilateral traduzir-se-á num Tratado Global para o Plástico, um mecanismo fundamental para unir os esforços de todos, considerando o aspecto transversal e multidimensional do problema. Dos negociadores deste tratado espera-se que abracem o desafio da complexidade com determinação e audácia, pois à semelhança de outros acordos, certamente serão muitas as dificuldades em obter um documento que satisfaça todas as partes.

A redução das emissões de plástico para o ambiente carece de alterações sistémicas e concertadas ao nível global, como reduzir o consumo, eliminar utilizações desnecessárias, estabelecer limites para a produção de plástico virgem, desenhar os plásticos com vista à sua reciclagem e desenvolver e conferir escala às tecnologias de processamento e reciclagem do plástico.

As políticas-chave para aumentar e concertar os esforços globais devem, necessariamente, ter em conta os custos financeiros e sociais da implementação das estratégias, sobretudo em países de baixo rendimento, que deverão ser apoiados na melhoria da gestão dos resíduos. As decisões devem ser informadas pelos avanços científicos relativamente o impacto na saúde ambiental e humana, numa abordagem comum One Health, e alinhados com os objectivos do desenvolvimento sustentável.

Esta é uma crise global que tal como as alterações climáticas, e a perda de biodiversidade, se insinuou ao longo das décadas, de forma lenta e quase invisível aos olhos da maioria. Mas, ao contrário das alterações do clima, que não se materializam em algo que possamos ver e tocar, e das espécies que vamos perdendo e das quais podemos ter pena mas não compreendemos verdadeiramente a importância, o plástico está aí no chão, no campo, na praia, na berma da estrada, todos o vemos e percebemos que não devia estar onde está. Mas não basta olhar à volta, temos de agir, reduzir o consumo de plástico e produzir menos lixo.

No caso dos microplásticos que ingerimos e respiramos, e porque sabemos serem vectores de poluentes, seria prudente aplicar desse já o “Princípio da precaução”, incluindo-os numa lista de vigilância para monitorização regular de modo a prevenir danos irreversíveis, tal como tem sido feito relativamente a vários compostos utilizados de modo global e que apresentam toxicidade.

Nota: Nestes oito minutos de leitura 120 toneladas plástico foram despejadas no Oceano.

A autora escreve de acordo com a antiga ortografia.

 

 

Paula Sobral assina este texto no âmbito da parceria entre o Jornal Económico e a Fundação Francisco Manuel dos Santos (FFMS), na qualidade de autora de “Oceano de Plástico”, editado pela FFMS.

Recomendadas

‘Mónadas’ digitais

Há quem viva num estado de quase confinamento cognitivo. Lê aquilo que lhe interessa e crê naquilo que quer, suspeitando da informação que não confirme aquilo em que já acreditava. E se lhe tentarem mostrar algum equívoco ou absurdo, provavelmente recusa-se a ceder.

PremiumBraço de ferro entre bancos centrais e governos

A economia mundial começa o novo ano dentro do mesmo enquadramento com que terminou 2022.

Braço de ferro entre bancos centrais e governos

A irresistível vontade dos governos em proteger a economia e as famílias poderá dar lugar a um maior endividamento público, que em alguns países, como Itália e Portugal, se encontram já em níveis bastante perigosos. Acresce que existe uma crise com o custo de vida, pelo que o aumento da pobreza é uma ameaça que deve ter sida em conta em 2023.
Comentários