População está “condenada” sem acordo entre países ricos e pobres, afirma Guterres

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, alertou este sábado para a necessidade urgente de um acordo climático entre os países ricos e os que estão em desenvolvimento, caso contrário a população mundial estará “condenada”.

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, alertou este sábado para a necessidade urgente de um acordo climático entre os países ricos e os que estão em desenvolvimento, caso contrário a população mundial estará “condenada”.

Em entrevista ao jornal britânico The Guardian, publicada poucas horas antes da COP27 que decorrerá a partir de domingo na cidade egípcia de Sharm el Sheikh, Guterres lembrou o compromisso não cumprido, assumido há 10 anos pelos países desenvolvidos, de dar às nações mais pobres do mundo um total de 100.000 milhões de euros, até 2020, no âmbito da ajuda à proteção climática.

“Não há como evitar uma catástrofe se ambos não chegarem a um acordo neste sentido”, declarou o secretário-geral da ONU. “Neste momento, estamos todos condenados”, alertou.

António Guterres afirmou que o mundo está a aproximar-se de uma crise climática “irreversível” e de “danos dos quais não será capaz de recuperar”.

“Precisamos de mais urgência, mais ambição e reconstruir a confiança entre o norte e o sul do planeta”, acrescentou.

O responsável vincou que “metade da humanidade está na zona de perigo de enchentes, secas, tempestades extremas e incêndios florestais”.

“Nenhuma nação está imune. No entanto, continuamos a alimentar o nosso vício em combustíveis fósseis. Perante isto, temos uma de duas opções: ou a ação coletiva, ou o suicídio coletivo”, afirmou.

Relacionadas

COP27: Aquecimento global abaixo de 1,5ºC possível mas muito difícil, defendem ambientalistas

São esperados na COP mais de 35 mil participantes, com 2.000 intervenções marcadas sobre mais de 300 tópicos.

COP27: Não fazer nada é caminhar para catástrofe ambiental, diz Duarte Cordeiro

O ministro do Ambiente e Ação Climática considera que a União Europeia (UE), numa altura de guerra e suas consequências, deve manter-se firme nos objetivos ambientais, e avisa que “não fazer nada é caminhar para a catástrofe ambiental”.
Recomendadas

Associação Zero: Legislação de proteção dos solos está “na gaveta” há sete anos

De acordo com a nota de imprensa, um estudo da Agência Portuguesa do Ambiente, de 2017, concluiu que o país “ganharia cerca de 25 milhões de euros em seis anos, em resultado da publicação do ProSolos, aos quais se acrescentariam ganhos ambientais e na saúde pública”.

Guia para gestão de Áreas Marinhas Protegidas quer ser “ferramenta útil”, afirma investigador

O “Guia de Boas Práticas para a Gestão e Monitorização de Áreas Marinhas Protegidas”, apresentado hoje, pretende ser “uma ferramenta útil” e simples para as pessoas que trabalham na área, disse um dos autores do documento à agência Lusa.

PremiumCOP27: economia fica sempre à frente dos interesses do planeta

A guerra, a inflação, os preços das energias tornaram a opção pela produção sustentável um luxo a que as economias não se podem dar. A guerra das Nações Unidas terá de ficar para mais tarde.
Comentários