Popularidade de António Costa está em queda mas PSD não está preparado para governar, revela sondagem

Se o Governo e António Costa estão em franca quebra de popularidade, este barómetro da Aximage para o DN, JN e TSF revela que os portugueses (sobretudo aqueles que votam no PSD) não colocam em fé no maior partido da oposição para liderar a governação.

O Governo está em clara perda de popularidade junto dos portugueses mas de acordo com o barómetro da Aximage para o DN, JN e TSF, e revelado este domingo por estes órgãos de comunicação social, são mais aqueles que acreditam que este Executivo vai chegar ao fim do mandato do que aqueles que colocam fé de que o PSD está preparado para assumir as rédeas da governação.

António Costa é o rosto da queda de popularidade deste Governo: diz o barómetro que o primeiro-ministro tinha um saldo positivo de 24 pontos no rescaldo da maioria absoluta; no entanto, os escândalos sucessivos que abalaram os escolhidos do chefe do Governo colocaram o governante com um saldo negativo de 30 pontos.

Apesar de todas as contrariedades, ainda são mais os portugueses que acreditam que o Governo irá levar o seu mandato até ao fim (47%) do que aqueles que estão convictos que a maioria absoluta irá terminar antes de outubro de 2026 (41%).

E qual é a alternativa? Este barómetro revela que o PSD não sai beneficiado da conjuntura negativa em torno do Governo de António Costa. A maioria dos participantes neste barómetro acredita que os sociais democratas ainda não estão preparados para governar e essa ideia ainda é mais vincada junto daqueles que se assumem como eleitores do partido liderado por Luís Montenegro.

Sobre este barómetro, a Aximage revela que o trabalho de campo decorreu entre os dias 10 e 14 de janeiro de 2023 e foram recolhidas 805 entrevistas entre maiores de 18 anos residentes em Portugal. O desvio padrão máximo de uma proporção é de 0,017 (ou seja, uma “margem de erro” – a 95% – de 3,45%).

Relacionadas

Marcelo foi eleito há dois anos, deu tiros no pé, mas renasceu com a crise no Governo

Reeleito com mais de 60% dos votos, no dia 24 de janeiro de 2021, Marcelo Rebelo de Sousa não cedeu à pressão para mudar de estilo. As sucessivas polémicas no Governo colocaram o Presidente da República no “centro da vida política” e ditaram uma atuação mais exigente.
Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta sexta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta sexta-feira.

Bónus ilegal à CEO da TAP. PSD diz que “tem que haver consequências políticas”

“Temos que apurar realmente o que aconteceu e está a acontecer na TAP. Quando falamos na gestão da TAP é preciso perceber onde estava o acionista Estado? Como foi possível atirar 3,2 mil milhões de euros para a TAP?”, questionou-se o deputado social-democrata.

André Ventura reage ao bónus da CEO da TAP: “Parece evidente que é ilegal”

“É mesmo uma questão de legalidade e de invalidade. Se num elemento tão importante como este, a administração e o Estado preferiram não a divulgar, é porque a queriam manter secreta e isto só por si é muito grave”. Líder do Chega reagiu esta sexta-feira à manchete do Jornal Económico que revela que o bónus previsto para a CEO da TAP é ilegal.
Comentários