Portimão vai ser a cidade anfitirã do Prémio Museu Europeu do Ano de 2024

Portimão vai acolher em 2024 a cerimónia do Prémio Museu Europeu do Ano, que distingue anualmente o setor museulógico europeu, depois de a cidade ter visto o evento cancelado em 2021 devido à pandemia da covid-19.

O acordo de parceira entre o município algarvio, do distrito de Faro, e o Fórum Europeu dos Museus, entidade responsável pela atribuição dos prémios, vai ser assinado hoje à tarde, no Museu Municipal de Portimão.

“Depois do cancelamento do evento em 2021 em Portimão devido à pandemia, houve a necessidade de reformular todo o processo de candidatura, cuja conclusão fica oficializada com a assinatura de toda a documentação”, disse à agência Lusa o diretor do Museu de Portimão, José Gameiro.

O Prémio Museu Europeu do Ano (European Museum of the Year Award ou EMYA, na sigla original) é o principal e o mais antigo dos galardões atribuídos pelo Fórum Europeu de Museus e também o mais prestigiado na Europa.

Criado para reconhecer a excelência no setor museológico europeu e promover processos inovadores e de excelência, o prémio é atribuído desde 1977, data da fundação do Fórum Europeu dos Museus, criado pelo Conselho da Europa.

Na opinião do diretor do Museu de Portimão, a cerimónia de entrega dos prémios em 2024, “é um momento importante de reforço do relacionamento europeu que existe entre a cidade algarvia e o EMYA”, entidade que tem o seu secretariado e arquivo na cidade algarvia desde 2018.

“O Museu de Portimão é aquilo a que nós chamamos a casa do EMYA, porque desde julho de 2018 que se tornou no secretariado do Prémio, onde estão reunidos os 45 anos de documentação desde o seu início em 1977”, destacou.

Além disso, adiantou, é o local onde anualmente o júri europeu se reúne, “traduzindo-se numa relação europeia forte entre o EMYA, o museu e a cidade”.

De acordo com José Gameiro, “a excelente relação entre todas as entidades, resultou na criação em 2019 de uma nova categoria de prémio que tem exatamente o nome Prémio Museu Portimão”.

“É um prémio que começou a ser entregue anualmente desde 2019 e que pretende premiar o museu mais acolhedor e inclusivo da Europa”, concluiu.

O Prémio Museu Europeu do Ano distingue anualmente várias áreas do trabalho do setor museológico, desde a inclusão, relação com a comunidade e ambiente.

Além do galardão principal, são também atribuídos os prémios “Museu Portimão de Acolhimento, Inclusão e Pertença”, “Museu Meyvaert de Sustentabilidade Ambiental”, “Silletto de Participação e Empenhamento Comunitário” e “Kenneth Hudson”, este último criado pelo fundador dos EMYA, para distinguir a coragem institucional e a integridade profissional.

O Prémio Museu Europeu do Ano foi este ano atribuído ao Museu da Mente, nos Países Baixos, numa cerimónia que decorreu em maio, em Tartu, na Estónia.

Em 2023, a entrega dos prémios decorrerá em Barcelona, Espanha.

Recomendadas

Didier Fiúza Faustino: 30 anos a questionar

Os projetos do “artista-arquiteto” franco-português, como o próprio se define, são marcados pelo questionamento do papel político da criação e da nossa posição enquanto sujeitos e cidadãos. O MAAT, em Lisboa, dedica-lhe uma retrospetiva que Faustino vê mais como um exercício prospetivo.

Produtor Paulo Branco distinguido com Prémio Luso-Espanhol de Arte e Cultura 2022

O produtor português Paulo Branco foi distinguido com o Prémio Luso-Espanhol de Arte e Cultura 2022, revelou hoje o Ministério da Cultura.

DGArtes: Governo reitera que houve “dobro da dotação e mais entidades” apoiadas

O ministro da Cultura reiterou hoje que o Programa de Apoio Sustentado da Direção-Geral das Artes (DGArtes) tem o “dobro da dotação” e abrange “mais entidades”, face às críticas sobre ausência de reforço financeiro da modalidade bienal.
Comentários