Porto de Leixões bate recorde de movimentação de carga

Foi a primeira vez na história que o Porto de Leixões movimentou 700 mil TEU (Unidade Equivalente a 20 Pés), um recorde que a infraestrutura não deixou de assinalar.

O Porto de Leixões, em Matosinhos, movimentou este ano, pela primeira vez, mais de 700 mil TEU (Unidade Equivalente a 20 Pés), adiantou esta quinta-feira a Administração dos Portos do Douro, Leixões e Viana do Castelo (APDL).

Citados em comunicado, o presidente do Conselho de Administração da APDL, Nuno Araújo, e o administrador da Yilport, Nicolas Sartini, consideraram que este recorde representa um marco histórico para o setor portuário nacional num ano particularmente desfavorável com constrangimentos do transporte marítimo, motivados sobretudo pelos efeitos da pandemia de Covid-19.

O Porto de Leixões tem em curso a empreitada de melhoria das acessibilidades marítimas que compreende o prolongamento do quebra-mar em 300 metros e a dragagem da bacia de rotação, num investimento de 147 milhões de euros.

Destes, 131 milhões de euros são em obra e o restante em serviços complementares como fiscalização e coordenação de segurança. A obra tem um prazo de execução de 30 meses.

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quinta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quinta-feira.

Bruxelas favorável a limite de preço para gás russo

“A Europa enfrenta a chantagem energética da Rússia, e a procura global de gás é mais elevada do que a oferta. Precisamos de trabalhar ao longo de toda a cadeia para enfrentar o desafio. Primeiro, temos de agir no ponto em que o gás entra no nosso mercado. Estamos a negociar com os nossos fornecedores fiáveis de gás de gasoduto. Se isto não trouxer resultados, então é possível um preço máximo”, declarou a comissária.

Governo reconhece necessidade de “valorizar salários” e espera acordo na Concertação Social

A ministra Adjunta e dos Assuntos Parlamentares discursava no Centro Cultural de Belém (CCB), em Lisboa, no âmbito da conferência “Em nome do futuro: os desafios da juventude”, organizada pela Santa Casa da Misericórdia e pela Rádio da Renascença.
Comentários