Portugal arrasa nos mestrados em Finanças com cinco nos melhores do mundo

Pela primeira vez, cinco mestrados em Finanças integram o ranking do Financial Times. Os destaques vão para a Nova SBE, cujo programa atinge o 11.º lugar no mundo, o que lhe dá a primazia entre as portuguesas, e para a estreia da Faculdade de Economia da U.Porto. Católica-Lisboa, ISEG e Iscte Business School melhoram o desempenho.

Bruno Barbosa

A Nova SBE é 9ª. na Europa e 11ª. no mundo no ranking Masters in Finance 2022 do Financial Times, após a subida de quatro e três posições, respetivamente. A escola liderada por Daniel Traça é a primeira das cinco portuguesas nesta edição do ranking liderado pela francesa HEC Paris.

“As escolas encontram-se divididas em três grupos (…) As 11 melhores escolas, da HEC Paris à Nova School of Business & Economics, formam o grupo de elite de fornecedores de programas de mestrado em finanças”, refere o Financial Times.

A escola de Carcavelos destaca-se no Top 10 no que diz respeito aos indicadores de Work International Mobility (9º) e Internacional Course Experience (8º). Ao nível da Empregabilidade a três meses, a Nova SBE atinge 99% e na Satisfação Geral conquista uma pontuação de nove.

Face às edições anteriores, o salário estimado tem mantido a tendência de aumento, tendo subido 15.5% dos 90 mil dólares anuais no ranking de 2021, para 104.mil dólares em 2022.

Daniel Traça, Dean da Nova SBE, destaca os resultados: “São a prova de que a ambição da Nova SBE de se tornar numa escola top 10 do ranking do Financial Times é possível. Esse foi o compromisso que assumimos com a sociedade portuguesa e estamos a cumpri-lo. A nossa aposta em crescer, em internacionalizar e em transformar para as competências do futuro está a gerar excelentes resultados”.

O ranking,  divulgado ao primeiro minuto desta segunda-feira, 13 de junho, avalia e lista os 55 melhores mestrados de Finanças do mundo contemplando 19 indicadores para classificar a qualidade do mestrado e da escola em três principais dimensões: progresso de carreira dos graduados, diversidade da escola e investigação e experiência internacional.

Pela primeira vez, Portugal surge na lista FT com cinco mestrados. Além da Nova SBE, CATÓLICA-LISBON, ISEG, ISCTE e Faculdade de  Economia da Universidade do Porto.

A CATÓLICA-LISBON sobe seis posições este ano e tem o 17º. melhor Mestrado em Finanças do Mundo.  O programa está no top 4 mundial da progressão salarial dos seus graduados, os quais viram aumentado o seu salário médio em 73% nos primeiros três anos, e está na 8º.º posição a nível mundial em termos de progressão na carreira.

A CATÓLICA-LISBON destaca-se  como Escola com melhor classificação a nível de internacionalização, com 38% de professores internacionais que realizam uma investigação de excelência, sendo que 76% dos alunos deste mestrado são também internacionais.

Filipe Santos, Dean da CATÓLICA-LISBON, salienta “a notável ascensão nos rankings”, que permitiu alcançar o topo da qualidade a nível mundial em apenas quatro anos. “Continuaremos a nossa missão de receber os melhores alunos de Portugal e de toda a Europa para lhes proporcionar uma carreira em Finanças verdadeiramente internacional, com uma sólida formação analítica, ética, e com impacto positivo na sociedade”, salienta.

O Mestrado em Finanças do ISEG – Lisbon School of Economics and Management  sobe um lugar, reafirma a sua posição e classifica-se na posição 34 do mundo.

Esta é a terceira vez que o ISEG integra estes rankings depois de se ter estreado em 2020.

Já a Iscte Business School destaca-se com uma subida de dez posições em relação a 2021, sendo realçados como pontos fortes do mestrado a progressão na carreira e o equilíbrio de género no corpo docente. O seu mestrado alcançou a 41ª posição no ranking.

“Uma subida de dez posições no Financial Times reflete o excelente trabalho desenvolvido e a dedicação que a Iscte Business School tem para com os seus estudantes. É um reconhecimento internacional da qualidade da Escola, assente no seu compromisso com as pessoas, as organizações, a sustentabilidade e a responsabilidade social”, afirma Maria João Cortinhal, Diretora da Escola de negócios do ISCTE.

Esta classificação surge depois da entrada da Iscte Business School no Positive Impact Rating (PIR) onde foi considerada uma escola “transformadora”. O PIR é um rating internacional de 45 escolas, em 21 países, que avalia o impacto positivo de cada instituição em questões como a sustentabilidade e a preparação dos estudantes para a vida profissional.

Uma estreia. O Mestrado em Finanças da Faculdade de Economia da Universidade do Porto está, pela primeira vez no Masters in Finance 2022, do FT, entrando diretamente para 49ª posição a nível mundial neste ranking exclusivo para cursos de finanças, um dos mais influentes entre as escolas de economia e gestão de todo o mundo.

“A presença do Mestrado em Finanças no ranking do Financial Times é o resultado do trabalho que toda a escola tem vindo a fazer, em particular no domínio da internacionalização. Trata-se de mais um reconhecimento que nos estimula a trabalhar no sentido de continuar a proporcionar aos nossos estudantes uma sólida formação académica e a criar talento e impacto na sociedade”, salienta o Diretor da FEP, José Varejão.

O Mestrado em Finanças da FEP destacou-se como o melhor curso em Portugal e o sétimo melhor em todo o mundo em termos de retorno do investimento académico (value for money rank).

A edição de 2022 do ranking FT, o mais prestigiado no sector, é liderado pela francesa HEC Paris, que reafirma a sua liderança e é seguida por mais quatro escolas francesas: ESCP Business School, Skema Business School, Essec Business School e Edhec Business School. A inglesa Said, escola de negócios da Universidade de Oxford é sexta, num ranking em que a primeira norte-americana – Sloan, do MIT, surge em nono lugar, ex-aequo com a London Business School, depois da chinesa Tsinghua University School of Economics and Management, e da espanhola IE, que é oitava.

Recomendadas

Universidade de Aveiro. Docente que se declarou abertamente homofóbico foi suspenso

A notícia é dada a conhecer pela reitoria durante uma manifestação de alunos contra Paulo Lopes.

Sovena e Fundação Amélia de Mello apoiam a formação profissional

No âmbito desta parceria, a Sovena e a Fundação Amélia de Mello irão estabelecer protocolos com cinco escolas profissionais do país, tendo sido já celebrados os protocolos com a ATEC- Academia de Formação, o Agrupamento de Escolas nº 3 de Elvas e a EPED- Escola Profissional de Educação para o Desenvolvimento. A Fundação Amélia de Mello também atribui os prémios Alfredo da Silva 2022 a investigadores.

Universidade de Aveiro atuará “com rapidez e firmeza” no caso do docente que apelidou comunidade LGBTI+ de “lixo humano”

No ano passado, a mesma reitoria abriu um inquérito ao professor em questão, também devido à publicação nas redes sociais de textos de alegado caráter discriminatório.
Comentários