Portugal atinge recorde diário de casos de Covid-19 com mais 7.627 infetados

Portugal tem um total de 413.678 casos confirmados de Covid-19, segundo os dados da DGS. Dos 6.906 de óbitos, 76 decorreram nas últimas 24 horas.

Segundo o relatório da Direção Geral de Saúde (DGS) desta quinta-feira, 31 de dezembro, Portugal tem 413.678 casos confirmados de Covid-19, sendo que registou um aumento de 7.627 infetados nas últimas 24 horas. Do total de 6.906 de óbitos, 76 decorreram desde ontem.

A DGS revela que atualmente existem 209.964 casos registados no Norte (mais 2.588), 47.721no Centro (mais 1.415), 133.739 em Lisboa e Vale do Tejo (mais 2.801), 7.698 no Algarve (mais 219), 1.832 casos na Região Autónoma dos Açores (mais+36), 1.601 na Região Autónoma da Madeira (mais 44) e 11.123 casos no Alentejo (mais 524).

Segundo o boletim epidemiológico da DGS, o número de mortes sobe para 6.906 depois de terem sido confirmados mais 76 óbitos: 37 no Norte, 16 no Centro, 15 em Lisboa e Vale do Tejo (LVT). A Madeira teve mais um óbito por covid-19 e o Alentejo teve mais sete mortes nas últimas 24 horas. Os Açores e o Algarve não registaram nenhuma morte desde quarta-feira, 30 de dezembro.

Do total de 334.276 recuperados, 3.260 aconteceram nas últimas 24 horas. Existem menos 2.556 contactos em vigilância. Das 2.840 pessoas internadas, desde quarta-feira 56 obtiveram alta hospitalar. Quanto aos 482 pacientes na Unidade de Cuidados Intensivos (UCI), 5 abandonaram a UCI.

Portugal tem 18.5953 homens infetados com a Covid-19, 2.27579 mulheres e 146 cujo género é desconhecido. Com o coronavírus, no país, morreram 3.588 homens e 3.318 mulheres.

Recomendadas

Grupo Stellantis e DST Solar nas Agendas Mobilizadoras

A inovação verde para a indústria automóvel passa pelas Agendas Mobilizadoras. O ISQ&CTAG irá investir 6,2 milhões de euros.

Cenário económico não anula metas de descarbonização

O cenário de uma possível recessão, associada à já frágil conjuntura macroeconómica, não assusta o sector, que diz estar “bem mais preparado” do que em 2008. As fragilidades herdades da pandemia persistem, mas importa não perder o foco das metas estabelecidas.

Projetos de transição vão sofrer com efeitos da crise

Os processos de transição climática em curso já estão a sofrer soluços no atual cenário macroeconómico e há lições a tirar. “Tudo vai custar muito mais do que se pensava”, garante o CEO da Madoqua Renewables ao Jornal Económico.
Comentários